terça-feira , 21 de agosto de 2018
Home / Destaques / MANIPULAÇÃO DE ALMAS INOCENTES E INDEFESAS – Wilson Bezerra de Moura

MANIPULAÇÃO DE ALMAS INOCENTES E INDEFESAS – Wilson Bezerra de Moura

Assisto e leio normalmente os órgãos de divulgação, até faço parte deste em momentos que me é possível escrever. Percebo sinceramente que, na maioria dos casos, muitos são negligentes em suas colocações e informações, por isso prestam, na maioria dos casos, um desserviço à sociedade.

Um dos imediatos desserviços consiste em induzir o povo a votar, apesar de que este é um dever que se apelida democrático, mas é determinada sua obrigatoriedade com punição severa caso não compareça à votação. É punido com bloqueio de vantagens pecuniárias, entre outras necessidades, aquele que não comparecer à votação que não vai lhe beneficiar em nada, a não ser interesses escusos do alto poder político e econômico. Essa é a máxima verdadeira dos fatos.

O desgaste por que passa a política nacional, com envolvimento em escândalos, corrupção, acordo com gangs e facções comprometidas com o crime nos diferentes aspectos, poucos políticos são capazes de se apresentar em público para falar ao povo, a ele pedir o voto com argumentos sinceros e convincentes, por isso a mídia falada, principalmente, tem procurado outros meios que venham substituir o pedido público e escandaloso que se fazia antigamente.

O critério de manipulação adotado pela televisão é colocar por meio da internet-celular um suplicante enfocando sua identidade, a localidade onde mora e sua face inocente de pedinte, refletindo uma realidade que não expressa o verdadeiro sentido e dizer publicamente, sem a mínima mácula, que deseja e espera um Brasil desse ou de outro jeito, como se aquilo fosse somar a pura realidade dos fatos que retratam mais que um simples palerma.

Em nome de uma democracia que não existe, de uma opinião que de nada vale, de uma consciência inocente, pinta a verdadeira manipulação de uma classe de mendicantes vidrada numa televisão que se dispõe a inibir a força do direito expresso por grupos de extermínio moral.