sexta-feira , 17 de agosto de 2018
Home / Brasil / Intenção de consumo das famílias cai de junho para julho
Intenção de consumo das famílias cai de junho para julho
Consumidores estão insatisfeitos em relação ao nível de consumo há 42 meses.

Intenção de consumo das famílias cai de junho para julho

Nem as promoções estão animando os consumidores brasileiros a gastar. Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, a CNC, a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) recuou 1,8% de junho para julho. Esta foi a maior queda desde junho de 2016, época em que o país vivenciava uma crise econômica grave.

O economista da CNC, Antônio Everton, conta que os consumidores estão insatisfeitos em relação ao nível de consumo há 42 meses e não há grandes perspectivas se a economia não voltar a crescer de forma sustentada. Com isto, as famílias reduziram a intenção de gastos em julho devido principalmente às condições de consumo e ao momento para a compra de duráveis.

“Chama atenção a intensidade da qual dois sub índices puxaram para baixo, ajudaram a derrubar o ICF (Intenção de Consumo das Famílias) que foram: perspectivas para o consumo, com – 3,9 e momento para duráveis, também com – 3,9. A gente olha o consumidor no curto prazo e vê um baixo otimismo, uma relativa desconfiança com relação as condições, as intenções de consumo.”

Além disso, outros motivos ajudaram para que esta queda fosse maior, como a oscilação de preços por conta da greve dos caminhoneiros e a falta de perspectivas de emprego. É o que explica o economista da CNC, Antônio Everton.

“A greve dos caminhoneiros provocou um baque na economia, produzindo prejuízos para os setores da atividade econômica, principalmente para a produção e o comércio. Então, na ponta, uns preços de produtos subiu bastante e mais o baixo crescimento econômico com uma baixa reativação do mercado de trabalho, a gente acredita que fazem com que os consumidores fiquem bastante cautelosos.”

O levantamento aponta também a percepção das famílias em relação ao nível de segurança no emprego, de junho para julho, que teve queda de 0,4%, mas em comparação com o ano passado, teve um aumento de 5%.