sexta-feira , 24 de março de 2017
Home / Cotidiano / Grupo que comanda a fábrica Itapetinga decreta falência e pode demitir 370 em Mossoró
Fábrica emprega 370 funcionários em Mossoró
Fábrica emprega 370 funcionários em Mossoró

Grupo que comanda a fábrica Itapetinga decreta falência e pode demitir 370 em Mossoró

O Grupo João Santos, detentora do cimento Nassau, responsável por 13% do mercado de cimento do País, decretou sua falência oficialmente no último fim de semana. A informação foi confirmada pelo Blog  do Antônio Martins.

O grupo detinha o controle de 12 fábricas, no Norte, Nordeste e Sudeste do país – incluindo a unidade de Mossoró. A Nassau produzia 6,4 milhões de toneladas de cimento por mês.

Em Mossoró a unidade funciona normalmente nesta segunda-feira. Segundo um funcionário que não quis se identificar não chegou nenhum comunicado oficial a empresa e todos os procedimentos continuam em andamento sem alterações.

A fábrica de Mossoró emprega 370 funcionários de ordem direta e um grande número de funcionários de forma indireta. Informações extra oficiais dão conta de que a fábrica de Mossoró continuará funcionando, mas até o momento não foi apresentada nenhuma garantia para que a unidade continue em produção.

Além das fábricas que produziam cimento, o Grupo João Santos controlava usinas de açúcar e etanol, fábricas de papel e celulose e uma rede de comunicação, a Rede Tribuna, presente em Pernambuco e Espírito Santo.

A crise no grupo se instalou após uma guerra travada entre familiares do patriarca e fundador, o pernambucano João Pereira dos Santos. O empresário morreu de infarto, em 15 de abril de 2009, aos 101 anos.

A briga familiar pelo controle do grupo, que levou à falência do grupo, teve de um lado Fernando Santos, José Bernardino Santos e Maria Clara Santos, filhos de João Santos, e de outro, as irmãs de João Santos, Ana Maria Santos e Rosália Santos, além de Alexandra, Rodrigo e Maria Helena, filhos do primogênito João Santos Filho, morto em 1980 num desastre de avião no Paraguai.

No ano de de 2010, o patrimônio do grupo era avaliado em R$ 5 bilhões.