terça-feira , 17 de outubro de 2017
Home / Opinião / Giro pelo Estado / Por onde andam nossos deputados e senadores?

Por onde andam nossos deputados e senadores?

No fim de semana me deu um “estalo”. Por onde andam nossos deputados federais e senadores? Pelo Twitter fiz a pergunta, e um amigo respondeu com outra pergunta. “Estariam veraneando?”. Minha pergunta era mais ampla. Já estamos na segunda metade de janeiro de 2016. Passou um ano da posse da nova bancada federal e até o momento os resultados são mediocres. O senador José Agripino passou o ano envolto em meio a denúncias. Em alguns momentos como crítico, noutros como alvo. A senadora Fátima Bezerra, nos poucos momentos que ousou se pronunciar, recorreu a palavra “golpe” como carro chefe. Mas sem render o que se esperava, esteve no Rio Grande do Norte este fim de semana, já na articulação de candidaturas pelo interior. E Garibaldi? Não apareceu nem mesmo com o tradicional bom humor. Quando o assunto se volta para a Câmara Federal o caso é ainda mais dramático. Cadê os deputados federais? O mais “produtivo” foi Rogério Marinho. Em pauta? A guerra travada com o PT. E o RN? Coube ao deputado federal Beto Rosado tocar em assuntos mais relacionados ao nosso interesse direto. Transposição das águas do rio São Francisco e crise no segmento do petróleo foram discutidos a partir de iniciativas do novo deputado. Em entrevista ontem ao Jornal da Tarde, da FM 105 de Mossoró, Beto foi sincero e destacou. “Estou lutando para aprender”. É preciso falar algo mais?

Rezar
Para encontrar nossos representantes é preciso garimpar o calendário de eventos religiosos e torcer para que o santo do dia interesse ao parlamentar. Neste fim de semana vários passaram por Parelhas em busca da proteção de São Sebastião. Só rezando para dar certo.

Tensão no ar
O prefeito Francisco José Jr anunciou na tarde desta segunda-feira o formato básico da nova reforma administrativa que será adotada no executivo mossoroense. No salão do Palácio da Resistências semblantes tensos e um certo ar de insatisfação.

Ajustes
O prefeito anunciou a redução de 30% dos cargos comissionados, que deverá render uma economia de R$ 1.7 milhão/ano. A intenção é obter uma economia em torno de R$ 2 milhões a mais com cortes em alugueis, energia, combustível, diárias, etc.

Indefinições
A reforma administrativa deixa um clima ruim nos corredores do Palácio da Resistência. O prefeito destacou em entrevista coletiva que ainda não sabe quais os secretários permanecerão no governo. Segundo o prefeito ficarāo os melhores. Novos nomes podem surgir. As definições devem sair antes do carnaval.

Em risco
Os semblantes mais tensos eram os dos filiados ao PT. A revolução “solitária” do vice-prefeito Luis Carlos tem gerado mais efeito do que a fidelidade da ala que tem jurado amor ao prefeito. Como a secretaria de Cultura será fundida a de Educação, é possível que o PT perca espaços generosos.

Preparação
Antes de anunciar as mudanças que deverão ser implementadas na administração municipal o prefeito Francisco José Jr se reuniu com os vereadores governistas para anunciar os ajustes e pedir apoio para as mudanças. A reunião parece ter desagradado alguns vereadores.

Ausências
De camisa amarela, e sorriso aberto, o vereador Flávio Tácito deixou a prefeitura antes do anúncio oficial das mudanças. Quase que na velocidade da luz. Jório Nogueira, chegou a ser anunciado, mas não entrou no salāo durante o anúncio. A impressão deixada foi a de insatisfação, mas…

Proteção
O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve decisão proibindo a realização de provas de laço e de vaquejadas no tradicional rodeio de Barretos (SP). Já o Rio de Janeiro é o primeiro Estado com lei específica proibindo carroças puxadas por animais. Os defensores dos animais vibram.

Base
O Ministério da Educação (MEC), apresentou recentemente o conteúdo preliminar da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que definirá os assuntos a serem estudados no ensino básico brasileiro pelos próximos anos.

Contrário
O documento causou polêmica diante das muitas mudanças propostas. O deputado federal Rogério Marinho, aproveitou o embalo pra fazer o que de melhor tem feito como deputado federal: criticar. Segundo Rogério o projeto não apresenta nenhum “objetivo escolar, mas, sim, orientações políticas e ideológicas”.