sexta-feira , 24 de novembro de 2017
Home / Universo / Geraldo Maia / Geraldo Maia – A maravilhosa arte de Manuelito
Geraldo

Geraldo Maia – A maravilhosa arte de Manuelito

Geraldo Maia do Nascimento – [email protected]

A arte fotográfica, técnica de reproduzir as imagens pela refração da luz, teve em Mossoró um grande adepto, que ao morrer em 10 de agosto de 1980, deixou como legado um fabuloso acervo de importância histórica incalculável para Mossoró.

Manuelito Pereira dos Santos Magalhães Benigno foi um artista de capacidade impar, que através de suas lentes projetou as imagens de Mossoró para o futuro, retratando a paisagem do seu mundo. São pessoas, ruas, sobrados, igrejas e acontecimentos sociais que envolveram a cidade num longo curso da crônica que ele registrou nos negativos dos seus filmes e na contemporaneidade do tempo e da vida.

Nascido e criado no Ceará, onde também aprendeu a profissão, chegou a Mossoró em 04 de outubro de 1933, numa quarta-feira de sol abrasador. Trabalhou inicialmente no “Foto Escóssia”, que ficava na Praça Rodolfo Fernandes, e pertencia a Augusto da Escóssia. Posteriormente Manuelito Pereira deixou a Foto Escóssia passando a trabalhar para J. Octávio, outro estúdio famoso de Mossoró. Tempos depois montou seu próprio atelier com o nome de “ O MANUELITO”, na Praça Vigário Antônio Joaquim, onde se firmou como artista de largo conceito profissional. Por quase cinqüenta anos retratou gente e coisas de Mossoró, sendo de sua autoria a quase totalidade das fotos históricas de nossa cidade. Todo o seu acervo fotográfico encontra-se no Museu Histórico “Lauro da Escóssia”. Segundo as palavras do historiador Raimundo Nonato, “invulgar atividade profissional a desse artífice provinciano que vale como capítulo da história de uma cidade heróica, que tem sobrevivido pelas iniciativas do seu povo, pelos feitos e pelo seu amor à liberdade, tantas vezes comprovado em campanhas memoráveis e em dias de soberba glorificação”.

Em sua modesta sala de trabalho, soube compensar a falta de estrutura com seu imenso talento. Com o passar do tempo foi adquirindo fama, renome e prestígio com a instalação de um novo e moderno atelier fotográfico, onde atendia a todos com extrema cordialidade, sempre franco, expansivo, fumando seu cigarrinho, rindo manso por entre os dentes, batendo e revelando chapas dia e noite, e aos poucos, amealhando as economias que lhe chegavam às mãos, como justo prêmio de um trabalho incansável e honesto.

Soube se impor como profissional, tornando-se presença obrigatória nas festas sociais, nos prélios esportivos e acontecimentos tumultuosos da política, que no dizer de Raimundo Nonato, “sempre transforma a vida de Mossoró numa espécie de campo de batalha ou de guerra fria, com seus profetas de rua, seus ídolos populares, suas figuras carismáticas”.

Registrou também figuras populares das ruas da cidade, tipos inesquecíveis como Benício Gago e Manuel Cacimbinho, cujas biografias foram publicadas pelo saudoso pesquisador Raimundo Soares de Brito em sua obra “Eu, egos e os outros. Desses, Manuelito trabalhou as imagens dando formas pictóricas admiráveis, em belos quadros que poderiam figurar em qualquer museu do país.

Demais acontecimentos de relevo como foi o Congresso Eucarístico de Mossoró, ocorrido entre os dias 12 e 26 de agosto de 1943, com a presença do Arcebispo do Rio de Janeiro Dom Jaime de Barros Câmara, tiveram todos os seus atos fotografados por esse grande artista nordestino.

Pela importância do seu trabalho para a cultura mossoroense, mereceu esse grande artista uma sala individual no Museu da cidade, onde está exposto todo o equipamento utilizado por ele ao longo da sua vida profissional, além de grande quantidade de fotografias e negativos. Como curiosidade pode ser visto no Museu os negativos em lâminas de vidro, técnica muito usada na época, que ainda se encontram em perfeito estado de conservação.

Pelos fatos expostos é possível concluir que Manuelito Pereira dos Santos Magalhães Benigno deixou em Mossoró uma herança de trabalho que muito engrandece a cidade, pois é através de sua obra que o nosso passado é revisitado, evitando assim que a poeira do tempo cubra para sempre os nossos feitos e glórias.