quinta-feira , 21 de novembro de 2019
Home / Cotidiano / Estiagem faz produtores adiarem projeto de plantação de cacau em Mossoró
Fabricantes de chocolate afirmam que produto pode acabar devido à queda na produção de cacau no mundo (Foto:  Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira - CEPLAC)
Fabricantes de chocolate afirmam que produto pode acabar devido à queda na produção de cacau no mundo (Foto: Comissão Executiva de Planejamento da Lavoura Cacaueira - CEPLAC)

Estiagem faz produtores adiarem projeto de plantação de cacau em Mossoró

O projeto para diversificar a produção agrícola na região entre Mossoró e os municípios vizinhos, no estado do Ceará, através da plantação de cacau pelas grandes empresas produtoras de melão, teve de ser adiado devido à incerteza hídrica. A informação é do presidente do Comitê Executivo de Fitossanidade (Coex), Luiz Roberto Barcelos, que afirma que espera implantar o projeto, mas ainda não tem data prevista.

“O cacaueiro é uma planta perene, que precisa de água e leva pelo menos quatro anos para começar a produzir. Por isso o projeto ainda não saiu do papel, pois, devido aos problemas com a água, ainda estamos prospectando uma área que possa receber uma plantação experimental e mantê-la”, disse.

Plantar cacau tem se tornado uma atividade mais atrativa por causa da valorização do produto, gerada pela queda na produção em países da África e ainda do estado da Bahia, maior produtor nacional. Nestes locais, a seca e uma praga têm devastado plantações. Há dois anos, fabricantes de chocolate alertaram para a possibilidade de um dos doces mais populares do mundo enfrentar queda na produção por causa da falta de cacau.

Mesmo com os problemas de abastecimento, a produção de frutas na região no ano passado apresentou crescimento. Luiz Roberto Barcelos informa que, em 2015, as exportações de melão cresceram 1,5%, aumento acompanhado ainda por culturas como o mamão.

“Nossas perspectivas para o ano 2016 em relação à produção de melão são boas por causa de fatores como o preço mais elevado do dólar, que favorece as exportações”, afirma Luiz Roberto Barcelos.