segunda-feira , 22 de julho de 2019
Home / Opinião / DISCURSO DO PROF. JOÃO BATISTA C. RODRIGUES – CENTENÁRIO DO CDSL – Wilson Bezerra de Moura

DISCURSO DO PROF. JOÃO BATISTA C. RODRIGUES – CENTENÁRIO DO CDSL – Wilson Bezerra de Moura

No mesmo instante em que passamos a página seguinte da história, nos deparamos com várias lembranças. A primeira, da figura do inesquecível intelectual professor e fundador da UERN, João Batista Cascudo Rodrigues, o filho de dona Ozelita e do comerciante grande figura Adolfo Rodrigues.

Ao mesmo tempo nos lembramos do professor Vingt-un Rosado com seu tradicional acervo editorial de quantas obras infindas que o fez se notabilizar, começando com a Coleção Bibliográfica na década de 40, prosseguindo com a Coleção Mossoroense, até a Fundação Vingt-un Rosado, que o acompanhou durante décadas, até sua morte, produzindo do incomensurável acervo bibliográfico transposto por esse país afora.

Enfim, à época Secretário de Cultura do Município de Mossoró, o professor Antônio Gonzaga Chimbinho traçou o perfil do professor João B. C. Rodrigues para ser palestrante no Centenário do Colégio Diocesano Santa Luzia 1901 – 2001, que o fez com toda maestria, deixando perplexa a assistência que dominou a quadra o colégio em 02 de março de 2001, quando e onde se deu o evento.

Discorreu o professor Cascudo o trajeto biográfico do colégio onde por ele passaram significativas personagens da vida política, social e econômica do Rio Grande do Norte, além de destacados professores que contribuíram para o conhecimento intelectual e literário.

As palavras iniciais do Professor João Batista foram de eminente conhecimento histórico ao afirmar:

– A reinvenção do passado pertence à escrita da história.

Concluiu a parte vestibular de sua fala dizendo:

– É um repositório do tempo e da vida e as variações da literatura, vertente do poder de criatividade dos homens e mulheres.

Suma verdade para quem reconhece a verdadeira sublimidade de um passado que venceu o tempo com suas luzes do conhecimento. Essa é nosso autêntico reconhecimento dos fatos.

Dou Fé.