sábado , 24 de agosto de 2019
Home / Universo / Clauder Arcanjo / Clauder Arcanjo: PÍLULAS PARA O SILÊNCIO

Clauder Arcanjo: PÍLULAS PARA O SILÊNCIO

Águas de março

 

Não há chuvas de março que lavem tanta omissão. Não há águas de março que arrastem tanta lama desta terra de promissão.

 

***

 

Noto que, no horizonte limpo pela chuva da madrugada, há um arco-íris, tímido e intrometido, como se a mostrar as cores da esperança para um povo de presente turvo.

 

***

 

Todo profeta da seca adora, sentado sem fazer nada, anunciar no chão calcinado; ao tempo em que odeia a natureza quando o obriga a plantar no chão molhado.

 

***

 

As secas de outrora não fizeram nem a décima parte da riqueza dos novos obreiros de hoje; a rasgarem a terra com a utopia dos diques e canais, modernos monumentos da engenharia, para levarem o vento até as eclusas do nada.

 

***

 

Quando me deito, a (re)ler Vidas Secas e O Quinze, a cabeça se revolta por saber que O Velho Graça e Rachel ainda descrevem temas atuais. “É pau, é pedra…”; e, ainda, não é o fim do caminho.

Clauder

 

Clauder Arcanjo

[email protected]