terça-feira , 23 de outubro de 2018
Home / Brasil / Chomsky afirma que Lula deveria, “por direito”, ser candidato à presidência
fda426a2-9c26-4042-822d-45847c6a59e4 (1)

Chomsky afirma que Lula deveria, “por direito”, ser candidato à presidência

O intelectual e ativista americano Noam Chomsky afirmou na ultima sexta-feira (14), em São Paulo, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso por corrupção e impedido pela Lei da Ficha Limpa de disputar as eleições de outubro, deveria ser, por direito, candidato mais uma vez.

“Há problemas com a democracia no Brasil, problemas contundentes, e não podemos deixar de lado o fato de que Lula deveria ser por direito candidato no Brasil”, disse Chomsky em um evento organizado pela Fundação Perseu Abramo.

Chomsky revelou ter conhecido Lula há 20 anos, antes de ele ter sido eleito, e afirmou ter ficado muito impressionado com o petista.

“E venho mantendo essa impressão ao longo dos anos”, completou.

O intelectual americano participou do seminário “Ameaças à Democracia e à Ordem Multipolar”, evento que contou com a presença de Dominque de Villepin e Massimo D’Alema, ex-primeiros-ministros de França e Itália, respectivamente. Também participou do encontro o ex-presidente do governo da Espanha José Luís Rodríguez Zapatero.

Chomsky afirmou que, há um século, o Brasil era classificado por analistas como o “colosso do Sul” e citou que, recentemente, o país se tornou um dos mais poderosos do mundo com Lula e com o ex-chanceler Celso Amorim, moderador do debate de hoje.

Outro dos temas abordados por Chomsky foi o crescimento de movimentos xenófobos na Europa. Para o intelectual, isso não é resultado da imigração, mas sim uma consequência das medidas neoliberais e dos cortes em políticas sociais adotados pelos governos dos países do continente.

“Se forma uma nova classe, que é a do precariado”, disse Chomsky, referindo-se ao aumento da precarização do emprego.

Enquanto isso, segundo Chomsky, grandes setores empresariais, como o agrícola, o financeiro e o energético, são beneficiados pelos governos.

“Esse aumento do poder empresarial se traduz em um declínio da democracia”, afirmou.