sábado , 21 de outubro de 2017
Home / Opinião / Giro pelo Estado

Giro pelo Estado

Com Márcio Costa
[email protected]

Tristeza não tem fim, felicidade sim? – Márcio Costa

Era um fim de tarde de mais um dia de trabalho num escritório encravado na cidade de Pau dos Ferros, interior do Rio Grande do Norte, num ano do início da era 2000, quando recebi pelo MSN, antigo meio de comunicação via internet, aquela tão fadada pergunta que antecede uma má notícia: “Você soube de Vovô?”

Eu me preparava para enviar minhas noticias como correspondente do Alto Oeste para mais uma edição do jornal O Mossoroense, e diante da frase não pensei duas vezes: “Luciano, arrume as coisas, vamos embora para Mossoró. Vovô morreu”.

Luciano Lellys, fotógrafo do jornal que me acompanhava, astuto observador de cenas de crime, e casos insolúveis, detentor de uma veia nata de investigador, fez valer a lógica e conteve minha reação impulsiva.

“Pergunte o que aconteceu”.

O choque imediato causado pela frase do jornalista que ocupava a redação em Mossoró impediu de fazer o básico. Confirmar a notícia. “O que houve com Vovô?” Distante 145 quilômetros, e sem saber o alvoroço que estava causando, o jornalista complementou seu pensamento em tom de euforia. “Vovô apelidou a nova jornalista”.

Numa mistura de alívio e ira, era inevitável não externar insatisfação com o episódio, mas de sorriso aberto surgiu um pensamento natural de satisfação. Ele não partiu.

O Vovô em questão não era pai da minha mãe, muito menos do meu pai. Na verdade, apesar de ser conhecido por apelidar quem aparecesse a sua volta, nunca soube ao certo por que Cosme da Rocha Freire, era conhecido por Vovô, se na época ao menos neto tinha, e sua inocência na maioria das vezes se assemelhava a de um bebê.

Ao chegar em Mossoró contei este episódio em tom de amenidade e de pronto fui revidado. “Sai pra lá HP. Ainda está muito longe de eu morrer”. HP era o apelido dado a mim, usado meses a fio sem que soubesse ao menos a origem. Não lembro de ter escutado ele falar meu nome uma única vez, mas lembro o dia em que explicou a definição do meu apelido.

HP era a abreviação invertida de Padre Huberto, o Monsenhor Huberto Bruening, catarinense que dedicou sua vida como missionário em Mossoró. Quando decidira colocar este apelido, Vovô não imaginava que durante minha adolescência, e juventude, por diversas vezes fui indagado sobre minhas relações com a igreja católica. “Você é padre?”. Se não significa nada, significa ao menos que a percepção de Vovô estava dentro da média.

Trabalhar com jornalismo nunca foi fácil. A pressão pela busca das notícias, as retaliações, ameaças e risco iminente, acabam tornando a vida de um jornalista um cenário de constante tensão, geralmente recompensado pelas histórias e experiências que se acumulam.

Conhecer Vovô foi sem dúvida uma das melhores experiências em meus 18 anos de jornal O Mossoroense. Foi através dele, o guardião do arquivo, e arquivo vivo do terceiro jornal mais antigo do País, que descobríamos a cada dia uma nova particularidade sobre a forma de se fazer jornalismo ao longo de tantas décadas, num cenário de constantes mudanças tecnológicas e sociais.

No último dia 2 de maio, ao chegar na redação do jornal O Mossoroense me deparei com a informação de que ele tinha sofrido um AVC e estava hospitalizado. Imediatamente liguei para uma de suas filhas, e após colher as informações básicas, me prontifiquei a ajudar da forma que fosse necessário. Era o mínimo a se fazer num momento onde a união de forças poderia salvar alguém tão especial.

Poucos dias antes, ele havia entrado na redação do jornal onde trabalhou por mais de 40 anos, e durante cerca de 30 minutos, colocou os assuntos em dia comigo, e outros funcionários remanescentes, com a mesma alegria de sempre, e um olhar de saudades que não conseguia esconder.

“Está na hora de acabar com estas férias e voltar a trabalhar”, disse antes dele voltar para o aconchego do lar, seu novo escritório desde a aposentadoria em 2012. Como imaginar que aquela seria a última visita num local onde era recebido como ídolo, mito e com salva de palmas? Como imaginar que aquele seria nosso último contato?

Acompanhei a evolução do quadro de saúde dele pelo telefone e de forma surpreendente sua evolução foi gradativa e rápida. Na última quinta-feira, recebi a informação de que ele receberia alta nesta sexta-feira e me preparei para visita-lo no sábado.

Com minha mãe já falecida, aprendi que visita em hospital pode ser um fator de estimulo para melhora, mas as vezes pode deixar um sentimento de frustração, impotência, um sabor as vezes amargo, e desde então evito contato com pessoas nestas condições. Por que não esperar até sua alta prevista?

Não deu. Acordei na sexta-feira com a informação de que nosso último contato estaria resumido à sua última visita a redação do jornal O Mossoroense. Vovô deixou o hospital na manhã da sexta-feira como previsto, mas ao chegar em casa, possivelmente emocionado por conseguir voltar para o convívio da sua família, foi vítima de um novo AVC.

Mesmo sem ter a intenção, não partiu sem antes voltar e motivar novos sorrisos de conforto antes da partida em definitivo.

Como não me sentir culpado? Não gosto de velórios nem de sepultamentos. Mas não podia deixar de me despedir do amigo Vovô. Na noite desta sexta-feira me dirigi ao Centro de Velório e sem falar com nenhum familiar fui direto ao local onde estava serenamente acomodado.

Seu semblante vendia paz a um preço que não há como se pagar. Foram segundos marcados pela mistura de memórias enoveladas e ao mesmo tempo tão sóbrias. Impossível segurar as lágrimas.

De repente escuto una voz. “Você é Márcio Costa: Obrigado por tudo. Ele gostava muito de você”. Levantei os olhos envoltos em lágrimas. Era Kaline, a filha com quem eu mantinha contato em busca de informações.

Não lembro o que falei, nem poderia, mas em poucos segundos surgiu sua outra filha, Kaliane. Fui confortado pelo abraço de uma pessoa que na verdade deveria está sendo confortada. Passamos a conversar sobre os últimos dias e sobre a trajetória dele no jornal.

Em poucos minutos o ambiente ganhava o contorno com a semelhança de Vovô. Ali, diante de sua presença, filhos e de sua esposa, começaram a surgir algumas risadas espontâneas de momentos proporcionados pela sua alegria inconfundível.

“Ele apelidou todo mundo no hospital. Deixou sua última mensagem em código para uma tia que acabou de aposentar, algo relacionado a um mapa. Creio que seja de pagamento. Ele pediu pra levar um rádio. O hospital autorizou e levamos. Ele ouviu todos os dias antes de voltar pra casa”, destacou Kaliane, uma de suas filhas.

E por falar em rádio, esta era uma de suas grandes paixões. Sempre relatava suas noites antenadas na Rádio Globo do Rio, divididas com o radialista Ataulfo Alves. E desta relação surgiu aquele que poderia ser seu hino de vida.

Quem conviveu com Vovô dificilmente não o viu cantarolar por diversas vezes o refrão da música “A Felicidade” de Vinicius de Morais.

“Tristeza não tem fim. Felicidade sim”.

Quando o poetinha escreveu A Felicidade, jamais poderia imaginar que o sentido de uma das mais belas canções da Bossa Nova viesse a ser colocado a prova com a mesma antítese de sua origem, por uma figura folclórica nascida numa tórrida cidade do sertão nordestino.

Nos últimos 18 anos, corriqueiramente me deparei com o refrão da música que há décadas faz sucesso nos quatro cantos do País e confesso que fora a repetição do refrão jamais tinha parado para avaliar as demais partes da música.

Adotei-a como trilha sonora para escrever este texto de despedida, e tive a certeza de que a partir de um momento normalmente marcado pela tristeza que parece sem fim, a afirmação de Vinicius de Morais passa a contar com uma pequena adaptação, mas que representa muito.

“Tristeza não tem fim…

…Felicidade sim?”

Sua partida mostra que a fatídica previsão de que a felicidade tem fim, pode sim figurar como uma dúvida a ser respondida com o tempo.

Que Deus conforte sua família, e que com o decorrer do tempo todos possam ter a certeza de que sua memória estará sempre ligada a uma felicidade eterna e sem fim, construída ao longo das histórias, e estórias, vividas e contadas no decorrer de toda a sua vida.

Vá com Deus amigo Vovô. Até um dia.

Márcio Costa – What’s poha is Lampião?

Márcio Costa – What’s poha is Lampião?

Outro dia me vi injuriado.  Uma amiga “super da moda”, e antenada, ouviu falar sobre a cantora Cindy Lauper e perguntou de quem se tratava. Quê? Como? Hein? Em que mundo você vive? Não estamos falando de Solange Almeida, mas de uma das hitmakers mais importantes e conhecidas da história da música mundial.

Dominado por uma ira típica de quem não aceita retrocesso na visão da sociedade sobre as “evoluções” do quilate de Aldair Playboy, adentrei a redação do jornal chutando o vento.

Então diretor, Cid Augusto com sua paciência de monge que medita no lombo de uma jumenta desembestada, indagou o porque da minha insatisfação extrema. “Amigo, eu pensava como você, até meu avô dizer que eu não era obrigado a saber quem era Nelson Gonçalves. Cada época tem seus ritmos, e ídolos. Está é a realidade”.

Tem momentos que o óbvio não é visto a um palmo das ventas. Mas a colocação de Cid fazia sentido. Minha amiga “super antenada” podia até gostar de Cindy Lauper, mas nada obrigava saber quem era, muito menos gostar.

Isso não significa que este cenário seja o ideal. Esta semana me vi a refletir sobre os fatos que cercam nossa pobre cidade. Onde diabo nos metemos? No fim da década de 1990 presenciei pela brecha da janela da minha casa uma guerra de gangues numa rara noite marcada por chuva e frio em Mossoró.

A guerra travada por facções inimigas ocorreu no fim da rua Delfim Moreira, no Abolição I. Mesmo com os joelhos se lascando de bater um no outro e escondido como um coelho dentro de uma cartola mágica, não perdi a oportunidade de acompanhar o confronto campal que tinha como arsenal: pedras, pedaços de pau, e a arma mais moderna, uma corrente de bicicleta.

Não se passou muito tempo, ainda assisto Simpsons e jogo Video Game, mas no último sábado nos deparamos com a informação de que um baile funk havia sido interrompido com tiros de pistola, fuzis e escopetas que de longe lembram os cheichos de pedra que cruzaram a rua Delfim Moreira numa noite da década de 1990.

Semanas atrás a inteligência da polícia descobriu que bandidos invadiriam Mossoró para limpar os cofres dos bancos que efetuariam o pagamento do salário antecipado aos servidores do município na véspera do carnaval.

A ameaça não se concretizou, mas nada livra a cidade de passar por um vexame desta ordem em pleno ano de 2017, onde carros deveriam voar, e homens deveriam se alimentar exclusivamente de cápsulas nutritivas.

Valhei-me Padre Motta, “Vixe Maria”, Rodolfo Fernandes, vão invadir Mossoró!  A cidade onde cidadão de bem é chamado de vagabundo por bandidos, e carros fortes viraram carros fracos num cenário que leva a reflexão? Até quando? Até onde?

Mossoró que se vangloria, e tem como principal marca cultural, e social, o episódio que resultou na expulsão do bando do Lampião na base da bala, começa a ter a certeza de que em pouco tempo a história que cerca o cangaceiro será apenas mais uma Cindy Lauper da vida.

Num tempo onde crianças andam armadas com escopetas e acertam suas diferenças explodindo cabeças, qual a importância será dada a um episódio que marcou época pela resistência de uma sociedade que de longe lembra o atual momento de desmoralização e terror coletivo em que vivemos?

Estamos perdidos, e cada dia mais perdidos. Afinal de contas, o que impedirá de escutarmos com a banalidade que equipara o preço de uma vida ao custo de uma pedra de crack, uma frase emblemática que colocará por baixo o peso de uma sociedade que parecer ter esquecido as glórias do seu passado.

A resistência de Mossoró se limitou a conter Lampião?

Afinal de contas, diante da realidade que vivemos, What’s poha is Lampião?

Giro pelo Estado – Vai ter “golpe”! O que virá depois?

Tirando os holofotes da Globo, e manifestações de parte a parte, é preciso analisar as entrelinhas do momento político do País.
Antes gostaria de dizer q não estou opinando, estou analisando.
É preciso fazer este alerta para não me taxarem de defensor de ‘coxinhas’ ou ‘comunistas’. Não é este o intuito deste texto.
Foi dado um ultimato a presidenta Dilma Rousseff no último dia 11, sexta-feira passada. Dilma recebeu a informação de que “teria golpe”.
Deram a oportunidade dela sair “em paz” e renunciar. Dilma reagiu, e disse que não renunciaria. A imagem da fragilizada Dilma tornou a coletiva em que se posicionou ainda mais dramática. Dilma está no limite.
Um dia após, o PMDB externou em convenção nacional para o País o que Dilma tinha escutado baixinho no ouvido no dia anterior.
Dai os desdobramentos envolvendo Lula e sua nomeação. Numa guerra como esta, Dilma, Lula e todos que viveram os efeitos da Ditadura Militar, esqueceram que numa guerra a primeira a morrer é a verdade.
Lula seria o “salvador da pátria”, se as gravações não tivessem mostrado um histórico ataque de ego que terminou de enterrar a unica esperança que existia para a continuidade do Governo Dilma.
Lula e Dilma nāo imaginavam que nesta guerra seriam capaz de fazer o básico, o óbvio, monitorar o q eles “pensavam” e usar como fosse necessário. O País perdeu suas estribeiras há tempos. Virou um jogo de tudo, ou nada.
Está tudo definido. Dilma será afastada do Governo. Só um milagre muda esta realidade e milagre em política é algo incomum devido o grande número de demônios e santos, a maioria com dupla personalidade oscilando entre o bem e o mal.
Minha curiosidade como grão de areia no deserto passa a ser descobrir o que ocorrerá depois.
Sérgio Moro continuará investigando a Lava Jato? Prenderá Cunha, Renan, Agripino, Aécio e cia? O “golpe” será dado por estes que estão na lista e já viram que o buraco negro vai sugar todos.
Será que a limpeza moral tão apregoada pela Lava Jato será parcial?
O tempo dirá.
Falta pouco. Dilma será presidente até abril. O que virá depois é uma grande interrogação.

Giro pelo Estado – A tsunami “seletiva” nas prefeituras do RN

Com a crise que atinge os municípios, pagar o funcionalismo em dias passou a ser um grande feito. Cidades como Pau dos Ferros e Portalegre, tem conseguido cumpri com a mata básica.  Outras como Areia Branca e Mossoró, sofrem para encontrar uma solução mágica que evite este problema. O certo é que as prefeituras que se anteciparam, estão conseguindo superar a tsunami que atinge os executivos em todo o País. A de Upanema, por exemplo, anunciou nesta sexta-feira o calendário anual de repasses. Quem preferiu cruzar os braços, pena para encontrar uma solução imediatista, mesmo que a partir da aplicação de remédio amargo na reta final de 2015. O Governo do Estado também já confirmou que atrasará o pagamento do funcionalismo. O certo é que o efeito cascata deverá complicar ainda mais a já combalida economia do Rio Grande do Norte. Viramos passageiros da agonia de um sistema falido. Até quando?

Tensão

Em Areia Branca o clima anda tenso. Os servidores públicos municipais deflagraram greve geral e a prefeita Luana Bruno sofre uma pressão extrema, mantida há meses. Luana paga o preço de não ter encaminhado as reformas necessárias no início do governo. Situação complexa na salinésia.

Candidata?

Com o andamento da gestão, Luana teve que acabar com o carnaval da cidade, não conseguiu emplacar nenhuma obra importante, e de quebra perdeu o controle das finanças do município. Terá dificuldade para buscar a reeleição, caso queira.

Candidato?

Já em Portalegre, com funcionalismo em dia, e com obras engatilhadas, o prefeito Neto da Emater desdenha quando o assunto é o projeto de reeleição. Neto afirma que só decidira se será candidato em abril. Até lá analisará o cenário para saber se seu projeto terá viabilidade.

Na serra

E por falar em Portalegre, o ator Caio Castro fez uma rápida passagem pelo município na tarde desta quinta-feira. Rápida, mas o suficiente para colocar o município no foco das redes sociais durante todo o dia. Caio esteve na cidade gravando reportagens que serão exibidas pela Inter TV e pela Rede Globo.

Surpreso

Bastante assediado, o ator foi atencioso com as fãs locais, e de outras cidades, que conseguiram furar o bloqueio da segurança. Acompanhamos as gravações na Cachoeira do Pinga e o ator se mostrou surpreso com o que tem visto no Rio Grande do Norte. Apesar das gravações, Caio Castro está no RN em férias.

Frio

Alertado sobre a água fria da Cachoeira do Pinga, local da gravação, Caio fez o teste com o pé e soltou. “Nada que se compare a Copa”, numa alusão as águas de Copacabana, conhecidas pelas baixas temperaturas faça chuva ou faça sol. Caio Castro saiu maravilhado com os encantos da cachoeira portalegrense.

Pipa

Após deixar o Alto Oeste, Caio Castro seguiu de avião rumo a capital, de onde iria ainda nesta quinta-feira para Pipa. O ator permanecerá em Pipa até este domingo, acompanhado de um irmão e de um amigo. Encerrará sua viagem de férias em alto estilo.

Transição

Em Pau dos Ferros a saída da secretaria de saúde Patrícia Leite abriu uma série de especulações em torno dos nomes que poderiam substitui-la. O prefeito Fabrício Torquato optou por uma solução caseira. Anunciará o nome da irmã Monalisa Torquato para a função. Decisão estratégica.

Diarreia

Ainda com relação a saúde de Pau dos Ferros, nessa quarta-feira foram atendidas 120 crianças com problemas de diarreia, que crescem neste período. Uma ação integrada tem ajudado a cuidar dos casos. Número alto que sobrecarrega o já combalido sistema de atendimento do município oestano.

Muro

A dúvida com relação ao local onde seria realizado o clássico Potiba no próximo domingo acabou. O Corpo de Bombeiros exigiu a construção de dois muros nas arquibancadas, restringindo ainda mais a capacidade de público, e foi atendido. O Nogueirão agora passa a ter uma capacidade de 3.2 mil torcedores. Será que o estádio receberá 2 mil no domingo?

Rosalba quer a prefeitura de Mossoró?

Nas redes sociais a torcida bate palmas. Na imprensa simpatizante o nome é tido como certo. Mas faltando poucos meses para a definição dos nomes que disputarão a prefeitura de Mossoró uma dúvida surge como salutar: Rosalba quer a prefeitura de Mossoró? Respondo por ela, sem ter procuração assinada, e sem medo de errar. Sim, Rosalba quer a prefeitura de Mossoró. Mas com a mesma certeza da resposta, afirmo que a mesma só irá para a disputa caso seja “obrigada”. Não é segredo para ninguém que o projeto da ex-prefeita, ex-governadora e ex-senadora é retornar à Brasília. Para tal será necessário uma engenharia eficiente, capaz de minimizar ao máximo, o desgaste deixado pela sua gestão como governadora na Grande Natal. Daí o desejo (necessidade) de Rosalba ter a prefeitura de Mossoró nas mãos, o que necessariamente não precisa ser as suas. Na atual realidade, ir para o confronto e assumir a prefeitura num cenário de crise generalizada, poderá solidificar a imagem de Rosalba como governante incompetente. Um ano a frente da prefeitura servirá apenas para enterrar seu projeto real. Nos bastidores surgem nomes como Beto Rosado (PP), e acreditem, há quem diga que Rosalba poderá até mesmo apoiar o projeto de reeleição do prefeito Francisco José Jr, numa articulação que partiria de Natal.  Como o ex-deputado Betinho Rosado tem conversado com o governador Robinson Faria, não há como descartar esta possibilidade. O certo é que: Caso Rosalba resolva disputar a prefeitura de Mossoró, irá no sacrifício, e com grande risco de comprometer seu projeto Master, que é voltar para o céu do Senado. Vamos acompanhar os desdobramentos.

Passos

O projeto “Mossoró Melhor”, que articula candidatura a prefeito da cidade, encaminha novos passos para a viabilização de um candidato. Em meio ao discurso progressista apresentado, os olhares de quem analisa o surgimento de uma novidade. Há uma natural desconfiança em torno do projeto.

“Calcanhar”

O fato de ter partido de empresários talvez seja o foco maior da desconfiança, “calcanhar de aquiles” que deverá ser explorado pelos adversários. Para se ter uma ideia, no dia do lançamento do projeto um empresário presente chegou a contestar o teor da pesquisa apresentada como base para a viabilidade do projeto.

Direcionamento

Do meio da plateia um senhor falou que as perguntas da pesquisa direcionavam as respostas, o que manipulava uma realidade favorável ao projeto. O evento realizado na sede da OAB externou o cenário de dificuldades que deverá ser enfrentado pelo grupo. A sorte está lançada.

Marqueteiro

A presença do marqueteiro Phabiano Santos no “Mossoró Melhor” deixa um claro sinal de que o projeto não deverá ficar no meio do caminho. Phabiano está diretamente envolvido com projetos eleitorais em Mossoró, nas últimas duas décadas. Conhece os caminhos que levam ao Palácio Rodolfo Fernandes.

Mais um

No lançamento do “Mossoró Melhor” foi confirmado que mais um nome de destaque nas últimas eleições municipais estará fora da próxima disputa. Após Gutemberg Dias do PCdoB, que se integrou ao governismo municipal, e não sairá candidato, foi a vez de Josué Moreira do PSDC dizer que não será candidato. Josué apoiará o Mossoró Melhor.

Lista

Somam a lista encabeçada por Gutemberg Dias e Josué Moreira, o nome do emblemático Cinquentinha, que não deverá ser candidato pelo Psol. Dos nomes pré-lançados até o momento, apenas Francisco José Jr e Larissa Rosado externaram interesse na disputa. A eleição de 2016 tende a ter um formato completamente diferente das duas últimas eleições. É a dinâmica da política reordenando o cenário.

Malabarismo

Em Natal, o governador Robinson Faria tenta um malabarismo para estancar a onda de violência que atinge principalmente as cidades de Natal e Mossoró. Além de controlar os barris de pólvoras em que se transformaram os presídios do RN, Robinson terá que estancar as matanças que aterrorizam a sociedade.

Problemas

Além de encontrar uma solução “mágica” para frear os efeitos da guerra do tráfico, Robinson terá que dar um jeito para acalmar os ânimos dos ladrões, que agora além de roubar, “aprenderam” a matar. Complexo. Azeitar o bolso dos militares foi a saída encontrada para por fim ao cenário de caos instalado no RN. Resta saber se surtirá efeito.

Quebrado

O poço 21, que abastece quatro bairros de Mossoró, apresentou problema mecânico e está sendo consertado. A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) está levando água da adutora Jerônimo Rosado para os bairros afetados com a paralisação.

Bairros

Os bairros afetados com o problema são: Alto do Sumaré, Dom Jaime Câmara, Planalto 13 de Maio, Ilha de Santa Luzia e os conjuntos Liberdade I e II, Cidade Jardim, IPE, Malvinas e Nova Vida. A previsão de retorno do abastecimento pelo poço 21 é na quarta feira (27).

Estreias

Fim de semana de estreia para Potiguar e Baraúnas no campeonato estadual de futebol. O Potiguar estreou com empate em Mossoró e o Baraúnas com derrota em Assú. Resultados que não foram bons, mas que não reproduziram com fidelidade a performance das equipes dentro de campo. As equipes de Mossoró podem surpreender caso consigam corrigir suas falas e aprimorar a preparação com o “bonde andando”. Ambas iniciaram a preparação tarde.

Por onde andam nossos deputados e senadores?

No fim de semana me deu um “estalo”. Por onde andam nossos deputados federais e senadores? Pelo Twitter fiz a pergunta, e um amigo respondeu com outra pergunta. “Estariam veraneando?”. Minha pergunta era mais ampla. Já estamos na segunda metade de janeiro de 2016. Passou um ano da posse da nova bancada federal e até o momento os resultados são mediocres. O senador José Agripino passou o ano envolto em meio a denúncias. Em alguns momentos como crítico, noutros como alvo. A senadora Fátima Bezerra, nos poucos momentos que ousou se pronunciar, recorreu a palavra “golpe” como carro chefe. Mas sem render o que se esperava, esteve no Rio Grande do Norte este fim de semana, já na articulação de candidaturas pelo interior. E Garibaldi? Não apareceu nem mesmo com o tradicional bom humor. Quando o assunto se volta para a Câmara Federal o caso é ainda mais dramático. Cadê os deputados federais? O mais “produtivo” foi Rogério Marinho. Em pauta? A guerra travada com o PT. E o RN? Coube ao deputado federal Beto Rosado tocar em assuntos mais relacionados ao nosso interesse direto. Transposição das águas do rio São Francisco e crise no segmento do petróleo foram discutidos a partir de iniciativas do novo deputado. Em entrevista ontem ao Jornal da Tarde, da FM 105 de Mossoró, Beto foi sincero e destacou. “Estou lutando para aprender”. É preciso falar algo mais?

Rezar
Para encontrar nossos representantes é preciso garimpar o calendário de eventos religiosos e torcer para que o santo do dia interesse ao parlamentar. Neste fim de semana vários passaram por Parelhas em busca da proteção de São Sebastião. Só rezando para dar certo.

Tensão no ar
O prefeito Francisco José Jr anunciou na tarde desta segunda-feira o formato básico da nova reforma administrativa que será adotada no executivo mossoroense. No salão do Palácio da Resistências semblantes tensos e um certo ar de insatisfação.

Ajustes
O prefeito anunciou a redução de 30% dos cargos comissionados, que deverá render uma economia de R$ 1.7 milhão/ano. A intenção é obter uma economia em torno de R$ 2 milhões a mais com cortes em alugueis, energia, combustível, diárias, etc.

Indefinições
A reforma administrativa deixa um clima ruim nos corredores do Palácio da Resistência. O prefeito destacou em entrevista coletiva que ainda não sabe quais os secretários permanecerão no governo. Segundo o prefeito ficarāo os melhores. Novos nomes podem surgir. As definições devem sair antes do carnaval.

Em risco
Os semblantes mais tensos eram os dos filiados ao PT. A revolução “solitária” do vice-prefeito Luis Carlos tem gerado mais efeito do que a fidelidade da ala que tem jurado amor ao prefeito. Como a secretaria de Cultura será fundida a de Educação, é possível que o PT perca espaços generosos.

Preparação
Antes de anunciar as mudanças que deverão ser implementadas na administração municipal o prefeito Francisco José Jr se reuniu com os vereadores governistas para anunciar os ajustes e pedir apoio para as mudanças. A reunião parece ter desagradado alguns vereadores.

Ausências
De camisa amarela, e sorriso aberto, o vereador Flávio Tácito deixou a prefeitura antes do anúncio oficial das mudanças. Quase que na velocidade da luz. Jório Nogueira, chegou a ser anunciado, mas não entrou no salāo durante o anúncio. A impressão deixada foi a de insatisfação, mas…

Proteção
O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) manteve decisão proibindo a realização de provas de laço e de vaquejadas no tradicional rodeio de Barretos (SP). Já o Rio de Janeiro é o primeiro Estado com lei específica proibindo carroças puxadas por animais. Os defensores dos animais vibram.

Base
O Ministério da Educação (MEC), apresentou recentemente o conteúdo preliminar da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que definirá os assuntos a serem estudados no ensino básico brasileiro pelos próximos anos.

Contrário
O documento causou polêmica diante das muitas mudanças propostas. O deputado federal Rogério Marinho, aproveitou o embalo pra fazer o que de melhor tem feito como deputado federal: criticar. Segundo Rogério o projeto não apresenta nenhum “objetivo escolar, mas, sim, orientações políticas e ideológicas”.

O revés das estratégias que elegem, mas não resolvem

Um Shaolim diferente

Não lembro o ano, mas era início da década de 2000. Estava em Macau em mais uma semana de viagens pelo jornal O Mossoroense, e para encerrar a noite tinha show com o humorista Shaolim no Teatro Hianto de Almeida. O humorista despontava como um dos principais nomes do humor brasileiro, mas o registro da morte de uma autoridade no município litorâneo acabou adiando o show. Segui para a praia de Camapum, e ao chegar no hotel, Shaolim encontrava-se numa mesa com o produtor do evento e alguns conhecidos. Com violão na mão, Shaolim cantou algumas músicas, imitou personalidades e artistas, deu um show privativo de simpatia. Ao se deparar com a informação de que integrávamos equipe de jornal da cidade de Mossoró fez uma pergunta curiosa. “Vocês conhecem alguém do jornal O Mossoroense?”. De imediato respondemos que sim. Shaolim destacou que tinha muita curiosidade em conhecer alguém do jornal para tirar uma dúvida. Meses antes deste encontro, o comediante tinha sofrido um acidente doméstico que foi noticiado no jornal. Como o caso não tinha se tornado público ele ficou curioso em saber como a notícia chegou ao jornal, o único a noticiar o fato em todo o País. A notícia coincidentemente foi divulgada por mim, na coluna Giro pelo Estado. Obtive a informação junto a um empresário de Shaolim, com quem estive um dia após o incidente. Ontem foi dia de despedida. Após cinco anos em coma devido um acidente automobilístico, Shaolim partiu. A imagem que vou guardar do paraibano que ganhou o País com sua alegria não será das apresentações no Domingão do Faustão. Será a daquela pessoa simples que longe dos palcos dividiu mesa em Camapum com a mesma alegria e vivacidade que o fez imortal. Valeu Shaolim.

Liminar

O Ministério Público Federal obteve liminar que obriga a instalação de ponto eletrônico para profissionais da saúde. Segundo o MPF, profissionais estariam descumprindo a carga horária e  a prefeitura seria convivente com a irregularidade. O município tem 60 dias para instalar o sistema de controle.

Unificação

O presidente da União Brasileira dos Municípios (Ubam), Leonardo Santana, voltou a tocar no assunto da extensão dos mandatos de prefeito e unificação das eleições para o ano de 2018. Segundo Leonardo, diante da crise que vivemos não há como dedicar R$ 2 bilhões para a realização de pleitos a cada dois anos.

Desperdício

Com uma crise generalizada, e flagrante falência das prefeituras e Estados, a realização de eleições gerais de dois em dois anos realmente se configura como um desperdício sem justificativa. Otimizar recursos é o mínimo que nossas autoridades precisam fazer. Se as eleições serão unificadas, é outro assunto.

Férias

E por falar em autoridades, o País caminha para o segundo ano de caos politico e econômico e nossos deputados e senadores estão em pleno gozo de férias. Sem dúvida um direito adquirido e que precisa ser cumprido. Assim como o direito de trabalhar de terça-feira a quinta-feira. Quem paga a conta?

Frio na serra

Quem tiver um “tempinho” de sobra e quiser uma boa alternativa para descansar é só seguir o rumo das serras potiguares. Com as últimas chuvas, as cidades de Martins e Portalegre tem registrado temperaturas de até 15 graus. Convite para um bom vinho acompanhado de pessoas especiais.

Serviço de parteira

Já para quem está a espera de ter filho em Mossoró, todo cuidado é pouco. O Hospital da Mulher tem se limitado a disponibilizar trabalho de “parteira”. Quem tiver com tudo pronto para parto natural nenhum problema, mas os casos que exigem cirurgias se transformam num verdadeiro drama na medida em que os médicos não disponibilizam nem mesmo gazes para curativos. Caos.

Calcanhar

E por falar em caos, o sistema penitenciário do Rio Grande do Norte continua como o “Calcanhar de Aquíles” do governador Robinson Faria. A cada nova fuga, a cada nova tentativa de fuga, o slogan de campanha se volta contra ele. O “governador da segurança” sente o gosto revés das estratégias que elegem, mas não resolvem os problemas da nossa sociedade.

Conceito

A Faculdade Mater Christi teve seus cursos bem avaliados pelo MEC. Os cursos de Direito, Administração e Ciências Contábeis obtiveram conceito 4 na avaliação Institucional do Ministério da Educação, sendo 5 a nota máxima. A avaliação processo de Recredenciamento Institucional do MEC reafirmando assim, a qualidade do ensino oferecido pela instituição.

Thermas

A semana no parque de águas termominerais do Thermas Hotel & Resort é sempre musical. Nesta quinta-feira (14) Gaby Viegas abre a semana de música ao vivo no palco das piscinas. Na sexta-feira (15) é a vez de Marcos Júnior agitar o planeta água com o seu repertório eclético. No sábado (16) a noite será da cantora Nataly Vox, a partir das 20h.

A pior bancada federal da história do RN

Vai piorar
Se já estava ruim, imagine com a notícia que segue. A Petrobras anunciou uma revisão de seu Plano de Negócios e Gestão (PNG) para o período 2015-2019, reduzindo em 24,5% os investimentos inicialmente projetados, de US$ 130,3 bilhões para US$ 98,4 bilhões.

Motivo
O ajuste é decorrente da otimização do portfólio de projetos, com uma redução de US$ 21,2 bilhões, e do efeito cambial. Péssima notícia para o Rio Grande do Norte, mais especificamente para a região de Mossoró que deverá sofrer ainda mais o impacto do enfraquecimento da estatal.

Bancada
Em resposta a apatia da classe política com os problemas que atinge o Rio Grande do Norte, o coordenador geral do Sindipetro, José Araújo define nossa bancada federal como a pior de toda a história. Bom mesmo seria eu ele não tivesse razão em sua análise. Nossa atual bancada é de fazer vergonha.

Reclamação
O prefeito de Almino Afonso, Lawrence Amorim, amanheceu o dia reclamando dos governos, estadual e federal. Segundo Lawrence, o Governo do Estado começou a atrasar os repasses do ICMS. O atraso sentido na semana passada se estendeu a esta semana. Um problema a mais para os municípios contornarem.

Transição
E por falar em Almino Afonso, o prefeito Lawrence Amorim prepara para concluir seu segundo mandato. Na linha de sucessão, o candidato governista deverá ser o médico, e ex-prefeito do município, Bernardo César. Nos bastidores fala-se na articulação de outros nomes, mas Bernardo afirma que o candidato será ele.

Vizinho
Em Lucrécia a situação é a mesma. Por lá, Walter Araújo, o Waltinho, encaminha seu último ano como prefeito da cidade oestana. Como forma de manter a chama política da família “Araújo” perpetuada há décadas, Waltinho poderá ser substituído por um filho do ex-prefeito e ex-secretário de Estado, Wagner Araújo.

Postura
“Vai ser a campanha do voto contra o poder”. A frase, forte, parte da ex-prefeita de Alexandria, Jânia Fernandes depois do furacão que resultou na cassação do prefeito Nei Rossato e posse do presidente da Câmara Raimundinho Ferreira. Alexandria deverá ter uma campanha disputada por duas mulheres.

União histórica
Em meio ao novo cenário que se desenha, a ex-vice prefeita Jânia Fernandes, tem tudo para encabeçar uma composição histórica com a presença do seu pai Jandui Fernandes, e dos ex-prefeitos Nei Rossato e Alberto Patrício. Palanque com três ex-prefeitos para enfrentar o novo cenário político que se forma.

Giro pelo Estado – Omissão, prejuízo e caos na BR-405

Chuvas em alta

Fim de semana com muitas chuvas no interior do Rio Grande do Norte. As maiores foram registradas em Umarizal (112mm) e Martins (100mm). Nas demais cidades foram registradas boas precipitações que começam a ser sentidas em pequenos reservatórios, alguns já com 100% das reservas recompostas. Que venham mais chuvas.

Caos na BR

Na noite da sexta-feira uma carreta foi desviar um buraco no trevo de acesso a cidade de Pau dos Ferros, o asfalto cedeu e o veículo tombou, causando danos a carreta e a perda da carga de melão e melancia, que foi saqueada pela população.

Falha

O local citado00 já registrou outros acidentes. O projeto do trevo de acesso a Pau dos Ferros conta com falhas grotescas abonadas pelo Dnit, e pelo menos neste caso, o Governo deverá ser responsabilizado pelo prejuízo. Difícil mesmo é crer na correção dos erros do projeto.

Descaso

E por falar em Dnit, até o momento nada foi feito para eliminar os buracos que se espalham pela BR-405. Os buracos são poucos, a maioria no trecho entre Itaú e Pau dos Ferros, mas o risco de acidentes é grande. A solução para o problema não teria um custo alto. Descaso flagrante.

“Tapa buraco”

Em alguns trechos, moradores trabalham numa operação “tapa buraco” em troca de alguns centavos. No mais, reina o descaso do Dnit. Diariamente acidentes e danos materiais são registrados. A solução deste problema depende de boa vontade que não há.

Acomodados

O comodismo dos condutores de veículos ajuda na manutenção do problema que pode resultar em perdas de vidas. É preciso que os prefeitos da região cobrem uma solução para o problema. A Associação dos Municípios do Oeste do Rio Grande do Norte (Amorn) bem que poderia ajudar.

“Jegue” forte

Chegou ao fim na madrugada desta segunda-feira, 11, mais uma edição do Jegue Folia. O evento comemorou 15 anos em alto nível, e se consagrou com um dos maiores públicos já registrados desde sua criação. Pontos para Ewerton Laércio que tem conseguido manter o “Jegue” forte, mesmo diante do enfraquecimento de eventos deste tipo em todo o País.

Contraste

Principal atração do evento deste ano a banda Aviões do Forró já foi anunciada para a edição 2017 do Jegue Folia. Em cima do trio a dupla Xandy e Solange deram um show de simpatia. Mas nos bastidores a produção teria cometido uma série de excessos que deixaram desgaste. Ruim para a imagem da banda.

Candidato?

O cardiologista Acácio Filho esteve no Jegue Folia 2016, e em meio a folia, avaliava a possibilidade de sair candidato a prefeito em São Miguel este ano. Acácio, filho do ex-prefeito homônimo, tem sido citado no tabuleiro da política local como potencial nome para a disputa do cargo máximo do município.

Leonardo Rego

Outro pré-candidato que circulou pelo Jegue Folia foi o ex-prefeito de Pau dos Ferros, Leonardo Rego. O ex-prefeito circulou pelos camarotes de sorriso aberto e já com pose de candidato. Em Pau dos Ferros as próximas semanas devem ser marcadas por novidades no cenário político.

Safadão

Voltando a folia do fim de semana, no sábado, Wesley Safadão arrastou público recorde até a cidade de Tibau para show no Arena. Única atração do País a ter aumento no cachê em 2015, o “Safadão” matou as saudades do Rio Grande do Norte. Para quem perdeu, o carnaval de Caicó será a próxima parada em solo potiguar.

Giro pelo Estado – Apodi está preparada para a avalanche de foliões?

Reforma em Alexandria

Em Alexandria esta quinta-feira foi marcada pela expectativa do primeiro dia de mandato do prefeito Raimundinho Ferreira. No fim da tarde, começavam a surgir as primeiras mudanças. A pasta da educação foi a primeira a contar com nova titularidade. Até o fim desta semana a reforma administrativa deverá ser concluída.

É o bicho!

O cantor baiano Ricardo Chaves será a principal atração do carnaval de Apodi, que este ano contará com uma série de ajustes destinados a redução de custos. O principal é a inexistência de palco. Saia Rodada e Grafith também aparecem na lista das principais atrações.

Tendência

Apodi será uma das únicas cidades do RN a realizar carnaval com recursos públicos. O município tem tudo para receber público recorde. Segundo a prefeitura, o município investirá cerca de R$ 400 mil no evento deste ano. É preciso pensar na infraestrutura para receber tanta gente. Apodi está preparada para a avalanche de foliões?

Água

A cidade de Itaú passou a receber água da barragem de Santa Cruz nesta quarta-feira. Com o inicio do funcionamento da adutora para o abastecimento do município oestano é chegada a vez da cidade de Tabuleiro Grande tentar garantir estrutura para garantir abastecimento. Projeto importante caso

Clima

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu boletim nesta quinta-feira com a previsão climatológica para o fim de semana. Segundo o Inmet, teremos céu nublado, com pancadas de chuva e trovoadas isoladas no norte e oeste da Bahia, centro-norte, sudeste e sudoeste do Piauí.

No RN

A precisão segue com céu nublado a parcialmente nublado com pancadas de chuva no norte do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas e Sergipe e demais áreas da Bahia; trovoadas isoladas no centro e sul do Ceará e oeste dos estados do Rio Grande do Norte, Paraíba e Pernambuco.

Mudança

As chuvas que caem na região Oeste do estado tem modificado a geografia. O cinza, tão em moda nos últimos meses, começa a ser substituído pelo verde nas margens das estradas. Na região serrana o espetáculo é ainda mais belo. Nas cidades de Martins e Portalegre os dias estão amanhecendo sob forte neblina.

Planejamento

A Federação dos Trabalhadores na Agricultura, Agricultores e Agricultoras Familiares do RN – (Fetarn) retomará as atividades, após um breve recesso, nesta segunda-feira, 11, e realizará nos dias 12,13 e 14, o seu Planejamento Anual para 2016. O evento que será realizado em Natal, terá a participação de diretores, assessores e coordenadores de 10 polos sindicais.

Esgotado

Em Marcelino Vieira a coordenação do Jegue Folia encaminha os últimos preparativos para o início da festa que começa nesta sexta-feira com público recorde. Para se ter uma ideia, na tarde desta quinta-feira os abadas vip se esgotaram. A festa promete.

Entrevista

O prefeito Francisco José Jr concederá entrevista ao jornal O Mossoroense nesta sexta-feira. Pauta diversificada para esclarecer diversos assuntos referentes a administração municipal.