segunda-feira , 23 de setembro de 2019
Home / Destaques / Câmara recebe 355 projetos de lei no primeiro dia de trabalho legislativo
Deputados fila projetos

Câmara recebe 355 projetos de lei no primeiro dia de trabalho legislativo

Entre as propostas há textos que pretendem mudar a reforma trabalhista aprovada na Câmara em 2017, aumentar a pena para lavagem de dinheiro e enriquecimento ilícito, e um projeto que retoma a discussão sobre a Escola Sem Partido.

Após a abertura do ano legislativo, que ocorreu em sessão do Congresso Nacional nesta segunda-feira (4), 355 projetos de lei (PLs) foram apresentados pelos deputados. No primeiro dia de trabalho, mais oito projetos de lei complementar (PLPs) e sete projetos de decreto legislativo (PDLs) foram protocolados. Ainda não foi apresentada nenhuma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que exige, no mínimo, 171 assinaturas.

Saiba mais sobre a tramitação de PECs
Entre os deputados que mais apresentaram propostas, estão o veterano Rubens Otoni (PT-GO), que cumpre seu quinto mandato na Casa e apresentou 46 projetos de lei; e o novato Rodrigo Agostinho (PSB-SP), ex-prefeito de Bauru (SP), que apresentou 45 PLs e mais dois projetos de lei complementar.

Reforma trabalhista e combate à corrupção
Várias dos projetos de Otoni querem alterar a recente reforma trabalhista (Lei 13.467/17). Para ele, a reforma “retirou direitos e conquistas da classe trabalhadora” e “não gerou empregos conforme prometido”.
Já Agostinho focou em projetos que visam combater a corrupção entre agentes públicos e privados. Entre as propostas, ele cita “o aumento da pena para crimes de corrupção e a questão da criminalização do caixa dois e do enriquecimento ilícito”, além da “punição de partidos políticas que atuam no sistema de lavagem de dinheiro”.
Deputado em seu terceiro mandato, Roberto de Lucena (Pode-SP) também figurou entre os que mais protocolaram propostas no primeiro dia de trabalho: 44 projetos de lei e um projeto de lei complementar. Várias dessas propostas visam aprimorar a proteção ao idoso no ordenamento jurídico brasileiro.

Primeiro projeto
O primeiro projeto apresentado na nova legislatura quer transformar a Bíblia em “Patrimônio Nacional, Cultural e Imaterial do Brasil e da Humanidade” (PL 1/19).

Autor da proposta, o deputado Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) justifica o texto afirmando que a Bíblia é o livro mais lido por todas as religiões e “já é reconhecido por seu vasto poder terapêutico, curador, histórico, libertador, restaurador, revelador e principalmente profético, cuja capacidade de milagres comprovados já ganhou a legitimidade da ciência”.

Escola sem Partido
Entre os projetos, alguns retomam temas já discutidos na Casa. É o caso do Projeto de Lei 246/19, da deputada Bia Kicis (PSL-DF), que institui o Programa Escola sem Partido.

legislatura passada, uma comissão especial analisou a proposta conhecida como Escola sem Partido (PL 7180/14 e 13 apensados), mas não chegou a votar o relatório do ex-deputado Flavinho. O projeto principal, do ex-deputado Erivelton Santana, que não foi reeleito, foi arquivado. Porém, a discussão do tema também pode ser retomada pelo desarquivamento de projetos apensados cujos autores tenham sido reeleitos. O prazo para desarquivamento das propostas é de 180 dias após o início dos trabalhos.

Todas as propostas apresentadas ainda serão encaminhadas pela Mesa Diretora da Câmara às comissões temáticas e, quando couber, ao Plenário da Casa.

Agência Câmara Notícias