sábado , 19 de outubro de 2019
Home / Brasil / Benefício diplomático reforça relação entre Bolsonaro e suspeito do caso Marielle
Homenagens a Marielle Franco no dia 14 de março de 2019, um ano após o assassinato / Miguel Schincariol / AFP
Homenagens a Marielle Franco no dia 14 de março de 2019, um ano após o assassinato / Miguel Schincariol / AFP

Benefício diplomático reforça relação entre Bolsonaro e suspeito do caso Marielle

A organização Coalizão Negra por Direitos divulgou nota, nesta quinta-feira (10), em que critica a concessão de passaporte diplomático para parentes de Domingos Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro (TCE-RJ) e suspeito de ser o mandante do assassinato da vereadora Marielle Franco e do seu motorista Anderson Silva. O caso foi revelado com exclusividade pelo Brasil de Fato.

“Destacamos que a facilitação de acesso a documentos restritos para pessoas suspeitas de estarem tão próximas às investigações deste crime é inadmissível! Enquanto a população favelada e preta do Rio de Janeiro e de todo Brasil sofre com o aumento da violência estatal, movimentações políticas como essa reforçam os indícios de vínculos espúrios entre a família Bolsonaro e os suspeitos de envolvimento no assassinato de Marielle e Anderson”, afirma, em nota, a organização. A Coalização Negra por Direito reúne movimentos negros de todo o país e atua na defesa por direitos dessa população junto ao Congresso Nacional e fóruns internacionais.

Para Anielle Franco, irmã de Marielle, a medida é “revoltante”. “Só comprova que estamos vivendo tempos sombrios. O governo deveria estar preocupado em descobrir quem mandou matar minha irmã em vez de conceder benefícios”, criticou.

João Vitor Moraes Brazão e Dalila Maria de Moraes Brazão, filho e esposa do deputado federal Chiquinho Brazão (Avante-RJ), receberam do Itamaraty o passaporte diplomático em 9 de julho deste ano. O parlamentar, que também possui o documento, é irmão de Domingos Inácio Brazão.

Os integrantes da família Brazão estão em uma lista com os 1694 passaportes diplomáticos emitidos pelo governo Jair Bolsonaro (PSL) até 15 de agosto, a qual o Brasil de Fato teve acesso por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI).

Confira a nota na íntegra:

Recebemos com revolta a informação publicada pelo jornal Brasil de Fato, de que João Vitor Moraes Brazão e Dalila Maria de Moraes Brazão, filho e esposa do deputado federal Chiquinho Brazão (Avante-RJ), receberam passaporte diplomático do Itamaraty em 9 de julho. O parlamentar é irmão de Domingos Inácio Brazão, conselheiro do Tribunal de Contas do Rio de Janeiro acusado de obstruir as investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e suspeito de ser um dos mandantes do crime.

Nós, da Coalizão Negra por Direitos, articulação que reúne movimentos negros de todo país, incluindo o Instituto Marielle Franco, coordenado pela família de Marielle, repudiamos e denunciamos o governo Bolsonaro, pelo conjunto de barbáries que tem imposto ao país. Em especial, destacamos que a facilitação de acesso a documentos restritos para pessoas suspeitas de estarem tão próximas às investigações deste crime é inadmissível! Enquanto a população favelada e preta do Rio de Janeiro e de todo Brasil sofre com o aumento da violência estatal, movimentações políticas como essa reforçam os indícios de vínculos espúrios entre a família Bolsonaro e os suspeitos de envolvimento no assassinato de Marielle e Anderson. 

Mais de um ano e meio sem resposta, Exigimos a investigação imediata dos vínculos entre família Bolsonaro e os suspeitos de assassinarem Marielle Franco.

Quem mandou matar Marielle?

 

Brasil de Fato