domingo , 17 de dezembro de 2017
Home / Destaques / Adiada votação de projeto que legaliza jogos de azar
Senador Benedito Lira

Adiada votação de projeto que legaliza jogos de azar

Pedido de vista coletiva levou ao adiamento da votação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) de projeto que regulamenta os jogos de azar e a reabertura dos cassinos no país. O relator de projeto de lei (PLS 186/2014), senador Benedito de Lira (PP-AL), que já havia lido o relatório no dia 8 de novembro, apresentou parecer atualizado nesta quarta-feira (6) em razão de novas emendas propostas.

De autoria do senador Ciro Nogueira (PP-PI), o projeto autoriza a exploração de “jogos de fortuna”, sejam online ou presenciais, em todo o território nacional

A regulamentação das apostas deverá contemplar jogo do bicho; vídeo-bingo e videojogo; jogo de bingo; jogos de cassinos em complexos integrados de lazer; jogos de apostas esportivas e não esportivas; jogos de cassino online. O credenciamento para exploração do jogo de bingo e vídeo-bingo terá prazo de 20 anos, renovável por igual período, e será de responsabilidade dos estados. Já o credenciamento dos cassinos terá validade por 30 anos, podendo ser renovado por sucessivos períodos. Esses comandos fazem parte do substitutivo elaborado por Benedito.

Lavagem de dinheiro

Entre outros pontos, a proposta prevê a inclusão das empresas autorizadas a explorar jogos de azar na Lei de Lavagem de Dinheiro, obrigando-as a cadastrar os clientes e informar operações ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coafi). Determina ainda a adoção de providências, pelo Banco Central (BC), no sentido de proibir o uso de instrumentos de pagamento, como cartões de crédito, em jogos de azar online administrados por empresa não-credenciada.

O relator na CCJ está convencido de que é desejável a regulamentação do jogo de azar no Brasil.

“É necessário relembrar que os jogos sempre fizeram parte do imaginário da civilização. Encontram-se na origem da cultura. Ademais, o longo período de proibição do jogo no Brasil, cerca de 75 anos, acabou por rotular equivocadamente esta atividade como uma questão de moral, inclusive, contaminando o debate sobre a legislação dos jogos”, considerou Benedito.

Agência Senado