sexta-feira , 18 de outubro de 2019
Home / Opinião / Reflexões Teológicas – Ricardo Alfredo
foto 07 (7)

Reflexões Teológicas – Ricardo Alfredo

PENSAMENTO I

“È na profundeza do silêncio e do caminho da solidão, que ouvimos a voz de Deus”. (Teólogo: Ricardo Alfredo)

 “Amai a Justiça, pois ela é imortal”. (Sabedoria 1:1-15)

A INJUSTIÇA DESAGRADA A DEUS

Todos aqueles que conhecem o grande criador do universo (Deus), sabem que Ele tem profundo pesar quando os atos de injustiça são cometidos. A injustiça é uma das formas de desagrada a Deus, Pois ele é justo.

A injustiça, no campo psicológico, provoca uma dor emocional profunda, e é sempre a causa danos espiritual. Principalmente, quando a injustiça é feita pelos que amamos.

É tanto verdade que a justiça está instalada no consciente humano, como se fosse um despertador que avisa quando os atos são injustos.

Dos altos céus, o Rei universal observa todos os procedimentos e atos dos homens classificado e ensinado, quando os mesmos são justos e injustos como relata o livro de Eclesiastes: “Eu mesmo retornei, a fim de ver todos os atos de opressão que se praticam debaixo do sol, e eis as lágrimas dos oprimidos, mas eles não tinham consolador; e do lado dos seus opressores havia poder, de modo que não tinham consolador.” (Eclesiastes 4:1).

Contudo, pode ser que enfrentemos situações em que nosso senso de justiça não seja satisfeito.

Como, então, podemos lidar com a injustiça?

As orientações da Bíblia

 

Conselho:

Não pervertam a justiça nem mostrem parcialidade. Não aceitem suborno, pois o suborno cega até os sábios e prejudica a causa dos justos. (Deuteronômio 16:19)

Neste assunto, ninguém prejudique seu irmão nem dele se aproveite. O Senhor castigará todas essas práticas, como já dissemos e asseguramos. (1 Tessalonicenses 4:6)

 

Aviso:

Tu não és um Deus que tenha prazer na injustiça; contigo o mal não pode habitar. (Salmos 5:4)

Não se envolva em falsas acusações nem condene à morte o inocente e o justo, porque não absolverei o culpado. (Êxodo 23:7)

É melhor ter pouco com retidão do que muito com injustiça. (Provérbios 16:8)

O Senhor repudia balanças desonestas, mas os pesos exatos lhe dão prazer. (Provérbios 11:1)

 

A relação entre a justiça e a injustiça na eternidade:

Deus “retribuirá a cada um conforme o seu procedimento”. Ele dará vida eterna aos que, persistindo em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade. Mas haverá ira e indignação para os que são egoístas, que rejeitam a verdade e seguem a injustiça. (Romanos 2:6-8)

 

Semeadura:

Quem cometer injustiça receberá de volta injustiça, e não haverá exceção para ninguém. (Colossenses 3:25)

Quem semeia a injustiça colhe a maldade; o castigo da sua arrogância será completo. (Provérbios 22:8)

Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem. (Romanos 12:21)

 

Aviso às autoridades:

“Não cometam injustiça num julgamento; não favoreçam os pobres nem procurem agradar os grandes, mas julguem o seu próximo com justiça. (Levítico 19:15)

A testemunha falsa não ficará sem castigo, e aquele que despeja mentiras não sairá livre. (Provérbios 19:5)

Os justos detestam os desonestos, já os ímpios detestam os íntegros. (Provérbios 29:27)

 

Clamor:

Faze-me justiça, ó Deus, e defende a minha causa contra um povo infiel; livra-me dos homens traidores e perversos. (Salmos 43:1)

No meio dela está o Senhor, que é justo e jamais comete injustiça. A cada manhã ele ministra a sua justiça, e a cada novo dia ele não falha, mas o injusto não se envergonha da sua injustiça. (Sofonias 3:5)

“O jejum que desejo não é este: soltar as correntes da injustiça, desatar as cordas do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e romper todo jugo? (Isaías 58:6)

Portanto, a ira de Deus é revelada dos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens que suprimem a verdade pela injustiça, (Romanos 1:18)

Não ofereçam os membros do corpo de vocês ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os membros do corpo de vocês a ele, como instrumentos de justiça. (Romanos 6:13)

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça. (1 João 1:9)

 

Andar em retidão:

Aquele que anda corretamente e fala o que é reto, que recusa o lucro injusto, cuja mão não aceita suborno, que tapa os ouvidos para as tramas de assassinatos e fecha os olhos para não contemplar o mal, é esse o homem que habitará nas alturas; seu refúgio será a fortaleza das rochas; terá suprimento de pão e água não lhe faltará. (Isaías 33:15-16)

O homem que obtém riquezas por meios injustos é como a perdiz que choca ovos que não pôs. Quando a metade da sua vida tiver passado, elas o abandonarão, e, no final, ele se revelará um tolo. (Jeremias 17:11)

O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. (1 Coríntios 13:6).

 

Portanto, é importante que na vida sigamos as orientações da sabedoria que é universal e dada pelo rei universal há quem desejar receber. E assim teremos uma vida amis frutífera, cheia de paz e feliz.

CONVITE – Amol – Academia Mossoroense de Letras

 

foto 01 (12)

 

ELEIÇÃO E POSSE – AMOL – ACADEMIA MOSSORONSE DE LETRAS

DIRETORIA EXECUTIVA: GESTÃO 2019 – 2022

foto 02.1 (1)
Presidente: Elder Heronildes da Silva

 

 

foto 02.2
Vice-Presidente: Antônio Filemon Rodrigues Pimenta

 

 

foto 02.3
1º Secretário: Almir Nogueira da Costa

 

 

foto 02.4
2º Secretário: Josafá Inácio da Costa

 

foto 02.5
1º Tesoureiro: Ricardo Alfredo de Souza

 

foto 02.6
2º Tesoureiro: Mário Gerson Fernandes de Oliveira

 

foto 02.7
Diretora Social: Taniamá Vieira da Silva Barreto

 

foto 02.8
Diretor de Patrimônio: Manuel Vieira Guimarães Neto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CONSELHO FISCAL CONSULTIVO

 

foto 02.9
1º – Wilson Bezerra de Moura

 

 

foto 02.10
2º – Benedito Vasconcelos Mendes

 

foto 02.11
3º – Maria do Socorro Cavalcante

 

foto 02.12
4º – Geraldo Maia do Nascimento

 

foto 02.13
5º – José Wellington Barreto

 

REFLETIR

A água da loucura

Um poderoso feiticeiro querendo destruir um reino colocou uma poção mágica no poço onde todos os seus habitantes bebiam. Quem tomasse aquela água, ficaria louco.

Na manhã seguinte, a população inteira bebeu, e todos enlouqueceram. O rei – que tinha um poço só para si e sua família, onde o feiticeiro não conseguira entrar – tentou controlar a população. Baixou uma série de medidas de segurança e saúde pública, mas não havia mais policiais ou inspetores, pois eles também haviam bebido a água envenenada.

Quando os habitantes daquele reino tomaram conhecimento dos decretos, ficaram convencidos de que o rei enlouquecera, e agora estava escrevendo coisas sem sentido. Aos gritos, foram até o castelo e exigiram que renunciasse à coroa.

Desesperado, o rei prontificou-se a deixar o trono, mas a rainha o impediu, dizendo: “vamos agora até a fonte, e beberemos também. Assim, ficaremos iguais a eles”.

E assim foi feito: o rei e a rainha beberam a água da loucura, e começaram imediatamente a dizer coisas sem sentido. Na mesma hora, os seus súditos se arrependeram: agora que o rei estava mostrando tanta sabedoria, por que não deixá-lo governando o país?

O país continuou em calma, embora seus habitantes se comportassem de maneira muito diferente de seus vizinhos. E o rei pode governar até o final dos seus dias. (Paulo Coelho)

 

 

ACONTECEU…

1- Erros eclesiásticos: equiparação de doutrinas bíblicas com usos e costumes

2- Jovem conta que foi levado 3 vezes ao céu e teve encontro com Jesus

3- Igreja é a instituição em que os brasileiros mais confiam; imprensa fica em sexto

4- “Jovens estão muito viciados em videogames violentos”, diz Mourão

5- Atiradores eram usuários de fórum extremista e falavam em receber 7 virgens

6-“Agradeço a Deus pelos 16 anos maravilhosos de tê-lo como filho”, diz pai de vítima;

7- Com talento para desenhos, Samuel Melquíades ilustrou um livro religioso sobre superação;

8- Vélez indica pedagoga cristã para secretaria executiva do MEC;

9- Recebido por Bolsonaro, apóstolo Estevam diz que presidente vai à Marcha para Jesus.  (Fonte: folhagospel.com)

CONSTRUÇÃO DA SEDE ACJUS – Academia de Ciências Jurídicas e Sociais de Mossoró.

 

foto 03 (12)

 

A construção da sede da ACJUS vem de vento em proa. Sobre a coordenação do presidente Wellington Barreto a sede tem tomado forma e isso é importante para Mossoró e região. Pois, com certeza, será um lugar da cultura de toda região e uma porta aberta para o turismo cultural e visitação das escolas públicas e particulares.

Presidente Welington Barreto, meu irmão e amigo, a cidade de Mossoró só tem a agradecer e reverenciar a sua inteligente e liderança num projeto de tão grande magnitude para cidade de Mossoró e para toda região Oeste. A cidade de Mossoró lhe diz: OBRIGADO!

 

A QUESTÃO DE GROSSOS

foto 04 (11)

 

A chamada “Questão de Grossos” foi uma disputa territorial entre os Estados do Rio Grande do Norte e Ceará pela in- corporação da região compreendida hoje pelos municípios de Grossos e Tibau ao Ceara.

No Século XVIII, a economia do Rio Grande do Norte tinha por base apenas à agricultura e a indústria pastoril. O Oeste potiguar, principalmente Mossoró, era grande fornecedor de gado para a Província de Pernambuco, tanto gado de corte como de tração para os engenhos. A boiada era tangida com grande dificuldade, chegando sempre ao seu destino menor e mais magra, o que causava prejuízos para os fazendeiros. Para evitar essas perdas, resolveram que ao invés de fornecer gado vivo, passariam a charquear a carne, como já era feito no Ceará, pois dessa forma a carne podia sem enviada para grandes distâncias sem prejuízo da qualidade. Assim foram instaladas oficinas de charqueamento em Mossoró e Açu. A medida causou, no entanto, descontenta- mento tanto da parte do Ceará quanto de Pernambuco. Os cearenses não gostaram da concorrência das charqueadas mossoroenses, e os pernambucanos reclamavam da falta de boi para tração dos engenhos. Medidas foram tomadas para acabar com as charqueadas do Rio Grande do Norte, inclusive fechando os portos de Açu e de Mossoró. As carnes secas só poderiam ser fabricadas no Ceará, conforme determinações reais.

Mas para charquear a carne, o Ceará precisava do sal que era produzido no Rio Grande do Norte. A Câmara de Aracati sugeriu, então, estender seus limites, penetrando em território potiguar. O pedido foi indeferido, com a ressalva de que as vilas limítrofes deveriam concordar com tal medida, caso contrário a reivindicação seria levada para a decisão real. Caso as vilas limítrofes nada obstassem, seria realizada a demarcação. Aquirás (Ceará) e Açu (RN) protestaram. Contrariando o que ficou deter- minado, o ouvidor substituto, Manoel Leocárdio Rademarker, mandou dar posse dos terrenos em litígio à vila de Aracati, ignorando os protestos. Estava criado o problema.

O território limítrofe continuou sem ser demarcado. O Ceará, porém, não desistiu. Em 1894, voltou ao assunto, impetrando uma ação no Supremo Tribunal, alegando “conflito de jurisdição”, que se transformou posteriormente em “ação de limites”.

A 13 de julho de 1901, a Assembleia Estadual do Ceará elevou a comunidade de Grossos à condição de Vila, em uma área pertencente ao Rio Grande do Norte. Em seguira, o presidente do Ceará, Pedro Augusto Borges, sancionou aquela resolução. Começava então uma longa batalha com o Rio Grande do Norte lutando pela posse do lugar. O desenrolar da questão levava a um conflito armado entre as duas Províncias. Para evitar o agravamento da crise, a questão foi levada para uma decisão, através do arbitramento, sendo o resultado favorável, na primeira fase, ao Ceará.

O Presidente da Província do Rio Grande do Norte, Pedro Velho, recorreu da decisão e convidou Rui Barbosa, grande jurista e, na época, Sena- dor da República, para defender o RN. Com a brilhante defesa de Rui Barbosa, o Rio Grande do Norte venceu a questão em 17 de julho de 1920, assumindo definitivamente os direitos sobre o território de Grossos. Esse território foi anexado ao município de Areia Branca. No dia 11 de dezembro de 1953, através da Lei nº 1.025, Grossos, juntamente com o distrito de Tibau, foi emancipado, desmembrou-se de Areia Branca. Em 21 de dezembro de 1995, pela Lei nº 6.840, Tibau foi desmembrado de Grossos, tornando-se um novo município do Rio Grande do Norte.

Com a resolução do problema, eram definidos os limites entre o Rio Grande do Norte e Ceará.

(Texto resumido para publicação, como parte integrante da plaqueta “Tributo a Rui Barbosa”, em comemoração aos 04 anos da ACJUS). Geraldo Maia é Economista e ocupa a cadeira 13 da ACJUS.

 

 

PENSAMENTOII

“A vida ensina lições duras, e às vezes cruéis. Porem, essas mesmas lições, nos leva a eternidade”. (Teólogo: Ricardo Alfredo)

 

RÁPIDAS DA SEMANA – política

1- A ministra declarou que o atual governo brasileiro defenderá a vida desde a concepção;

2- Moro diz que Justiça Eleitoral não está preparada para julgar corrupção;

3- “O movimento negro não quer resolver, quer se vingar”, diz o professor;

4- Lava Jato: procuradores esclarecem dúvidas sobre acordo com a Petrobras;

5- Ricardo Gondim responsabiliza pastores que apoiaram Bolsonaro por tragédia em Suzano;

6- Ministro defende política externa guiada pela fé cristã;

7- Damares discursa contra o aborto na ONU;

8- Bolsonaro oficializa Marco Feliciano como um dos vice-líderes de governo;

9- Ciro diz que Gleisi é “chefe de quadrilha” e petista rebate: “coronel oportunista”;

10- Derrota para Lava Jato: STF decide passar crimes comuns para Justiça Eleitoral

11 – Palestinos atacam santuário em Jerusalém com bomba incendiária. (Fonte: gospel)

 

LIÇÕES DE VIDA

CONSTRUA PONTES

Construímos muros demais e pontes de menos. (Isaac Newton)

Dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, entraram em conflito.

Foi a primeira grande desavença em toda uma vida de trabalho lado a lado.

Mas agora tudo havia mudado.

O que começou com um pequeno mal entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio.

Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem à sua porta.

– Estou procurando trabalho, disse o carpinteiro. Talvez você
tenha algum serviço para mim.

– Sim, disse o fazendeiro. Claro! Vê aquela fazenda ali, além do riacho?

É do meu vizinho. Na realidade é do meu irmão mais novo.

Nós brigamos e não posso mais suportá-lo.

– Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois use para construir uma cerca bem alta.

– Acho que entendo a situação, disse o carpinteiro.

– Mostre-me onde estão a pá e os pregos.

O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade.

O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro.

Quando o fazendeiro chegou, não acreditou no que viu:

em vez de cerca, uma ponte foi construída ali, ligando as duas margens do riacho.

Era um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou:

– Você foi atrevido construindo essa ponte depois de tudo que lhe contei.

Mas as surpresas não pararam ai.

Ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão se aproximando de braços abertos.

Por um instante permaneceu imóvel do seu lado do rio.

O irmão mais novo então falou:

– Você realmente foi muito amigo construindo esta ponte mesmo depois do que eu lhe disse.

De repente, num só impulso, o irmão mais velho correu na direção do outro e abraçaram-se, chorando no meio da ponte.

O carpinteiro que fez o trabalho partiu com sua caixa de ferramentas.

 

STF DECIDIU ENVIAR TODOS OS CRIMES POLÍTICOS PARA JUSTIÇA ELEITORAL

 

foto 05 (11)
STF. (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

 

O STF – Supremo Tribunal Federal, chegou a decisão por 6 votos a 5, em enviar para a Justiça Eleitoral os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro associais a delitos eleitorais como a prática de caixa dois. Os principais juristas do país e do exterior consideram a decisão uma derrota para a operação Lava Jato.

Em entrevista um dos procuradores da República Deltan Dallagnol lastimou sobre a decisão ao afirmar que: “Hoje, começou a se fechar a janela de combate à corrupção política que se abriu há 5 anos, no início da Lava Jato”. (Fonte: gospelprime)

 

PEDAGOGA CRISTÃ ASSUMIU A SECRETARIA EXECUTIVA DO MEC

 

foto 06 (9)

 

Foi anunciada pelo ministro da Educação, Ricardo Vélez, a pedagoga  Iolene Lima para a Secretaria Executiva do MEC.

A nomeada já é da área de educação e atuava como diretora do Colégio Inspire, uma instituição ligada a Igreja da Cidade localizada em São José dos Campos, interior de São Paulo.

Curriculum: Formada em pedagogia, com pós-graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional e um MBA em Qualidade Educacional. Iolene usou as redes sociais para comentar sua nomeação.

 

POEMA

CLÁSSICOS DAS POESIAS

POEMA 1

Saudade dentro do peito
É qual fogo de monturo
Por fora tudo perfeito,
Por dentro fazendo furo.

Há dor que mata a pessoa
Sem dó e sem piedade,
Porém não há dor que doa
Como a dor de uma saudade.

Saudade é um aperreio
Pra quem na vida gozou,
É um grande saco cheio
Daquilo que já passou.

Saudade é canto magoado
No coração de quem sente
É como a voz do passado
Ecoando no presente (Patativa do Assaré)

 

POEMA 2

Não é a pobreza, nem a seca do nordeste que expulsam o sertanejo de suas terras e sim os próprios coronéis, intitulados políticos que eles próprios colocam no poder… (Leandro Flores)

 

POEMA 3

Você endoideceu meu coração

Você endoideceu meu coração, endoideceu
E agora o que é que eu faço sem o teu amor
Agora o que é que eu faço sem o beijo teu
Eu nem pensei já tava te amando
Meu corpo derretia de paixão
Queria tá contigo a todo instante
Te abraçando, te beijando
Te afagando de emoção
Ficar na tua vida eu quero muito
Grudar pra nunca mais eu te perder
Você é como água de cacimba
Limpa, doce e saborosa
Todo mundo quer beber. (Nando Cordel)

 

PENSAMENTO III

“Confiar sempre, mesmo em meio à tempestade. É preciso, é necessário, só confiar no Senhor”. (Escritor: Ricardo Alfredo)

 

APRENDA A FICAR EM SILÊNCIO, POIS DEUS FALA NELE. (Lamentações 3:21 – 33)

  1. Gravei tudo isso em minha mente, aí está minha esperança.
  2. Há bondade no SENHOR, sem fim, misericórdia que não acaba!
  3. Hoje e sempre está se renovando, sua grande fidelidade.
  4. “Herança minha é o SENHOR — eu digo — por isso, nele espero.
  5. Imensa é a bondade do SENHOR, com quem o espera e procura.
  6. Importante é aguardar em silêncio o socorro do SENHOR!
  7. Iniciar a vida sob o jugo é coisa muito boa.
  8. Junte-se a isso, ficar só e calado, quando é exigido,
  9. jogar-se de boca na poeira, há esperança, talvez,
  10. justamente a quem bateu, dar o rosto, saciar-se de insultos.
  11. Longe está do pensamento do SENHOR rejeitar para sempre.
  12. Logo após castigar, se compadece, grande é seu amor.
  13. Levar opressão e tortura ao ser humano não lhe está no coração.

 

ENCONTRO REGIONAL

 

foto 07 (7)

 

BIOGRAFIA DE RUI BARBOSA


foto 08 (4)

 

Rui Barbosa e sua contribuição para as Ciências Jurídicas

Rui Barbosa de Oliveira (Salvador, 5 de novembro de 1849 – Petrópolis, 1 de março de 1923) foi um grande intelectual de sua época, destacando-se como jurista, advogado, político, diplomata, escritor, filó- logo, jornalista, tradutor e orador.

Além de advogado, foi também deputado, senador e o primeiro ministro da Fazenda do regime republicano. Notabilizou-se pelo engajamento na campanha abolicionista e pela defesa dos direitos dos escravos, do federa- lismo e das garantias e liberdades individuais. Considerado um dos organizadores da República, Rui Barbosa foi coautor, junto a Prudente de Morais, da primeira constituição republicana, promulgada em 24 de fevereiro de 1891.

Ao contrário da carta imperial, a Consti- tuição de 1891 incorporou o instituto do habeas corpus, prescrevendo no art. 72, § 22º, que “dar-se-á habeas corpus sempre que o indivíduo sofrer ou se achar em iminente perigo de sofrer violência ou coação, por ilegalidade ou abuso de poder”. De acordo com a fórmula ampla do texto constitucional, Rui Barbosa defendeu a doutrina brasileira do habeas corpus, segundo a qual este remédio seria cabível sempre que um direito for ameaçado ou violado por ilegalidade ou abuso de poder.

Como advogado, participou, em abril de 1892, do histórico julgamento do Habeas Corpus nº 300.  O habeas corpus foi impetrado  no Supremo Tribunal Federal por Rui Barbosa em favor do Senador Almirante Eduardo Wandenkolk e outros cidadãos, indiciados, presos e desterrados por crimes políticos, em virtude de decretos expedidos pelo Vice-Presidente da República, Marechal Floriano Peixoto, na função de Presidente, que suspenderam as garantias constitucionais, decretando-se o estado de sítio no Distrito Federal.

Barbosa sustentou a inconstitucionalidade do estado de sítio e a ilegalidade das prisões ocorridas, umas antes de decretado o estado de sítio, outras, depois de terminada a sua vigência, quando devem imediatamente ser restabelecidas as garanti- as constitucionais. A ordem foi denegada por dez votos a um, supostamente por pressão dos militares sobre os ministros do Supremo Tribunal Federal.

Em 1907, Rui representou o Brasil na Segunda Conferência Internacional da Paz em Haia, onde restou conhecido como a “Águia de Haia”, notabilizando-se internacionalmente pela defesa da igualdade jurídica dos Estados nacionais. Já no final de sua vida, foi eleito juiz da Corte Internacional de Haia, cargo do qual declinou.

Deixou uma grande produção intelectual, entre livros, artigos, discursos e pareceres. Sua obra “O Dever do Advogado”, escrita em 1911, é uma das mais importantes produções sobre a deontologia jurídica. Em 1921, escreveu a célebre “Oração aos Moços”, seu discurso para os formandos da Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, dos quais era paraninfo. No texto, lido pelo professor Reinaldo Porchat, já que o autor, com problemas de saúde, não pôde comparecer, Barbosa aborda aspectos da sua carreira e a missão do advogado, deixando como exemplo para a nova geração.

 

(Texto resumido para publicação, como parte integrante da plaqueta “Tributo a Rui Barbosa”, em comemoração aos 04 anos da ACJUS).  Breno Valério é Juiz de Direito e ocupa a cadeira 20 da ACJUS.

 

Eclesiastes 7:6-8

…6 – pois tal como o estalo de espinhos ao fogo debaixo da panela, assim é o riso dos insensatos. E isso também é vaidade, e não faz sentido. 7 – A opressão tem o poder de enlouquecer até o sábio, e um suborno pode apodrecer o coração. 8 – A conclusão dos assuntos é melhor que o seu início, e a paciência vale sempre mais do que a arrogância.…

 

PENSAMENTO IV

“Lutar até a morte e mais honroso  do que ser submetido a uma injustiça”. (Autora : Gislene Pascutti) .

 

 

CONVITE

 

foto 09 (3)

 

PENSAMENTO V

O conhecimento deve conduzir ao amor. Quanto mais sabemos, mais devemos compartilhar do que sabemos com os outros e usar o nosso conhecimento em serviço a eles, seja na evangelização, seja no ministério. Às vezes, porém, nosso amor poderá moderar o nosso conhecimento. Pois o conhecimento em si pode ser ríspido; é-lhe necessário Ter a sensibilidade que o amor lhe pode dar. Foi isso o que Paulo quis dizer quando escreveu: “O saber ensoberbece, mas o amor edifica”. O “senhor do saber” de quem ele fala é o cristão instruído, sabedor de que há um só Deus, de que os ídolos nada são, e que portanto não há razão teológica alguma pela qual não deva comer uma comida que fora anteriormente oferecida a ídolos. Entretanto, pode haver um motivo de ordem prática para dela se abster. É que alguns cristãos não têm tal conhecimento e, em consequência, suas consciências são “fracas”, ou seja, não instruídas e excessivamente escrupulosas. Anteriormente eles próprios haviam sido idólatras. E, mesmo depois de sua conversão, acham que, em sã consciência, não podem comer tais carnes. Estando com eles, então, Paulo argumenta: o cristão “forte” ou instruído deve abster-se para não ofender a consciência “fraca” de seus irmãos. Ele mesmo tem a liberdade de consciência para comer. Porém o seu amor limita a liberdade que o conhecimento lhe dá. Talvez seja contra tais circunstâncias que Paulo chega a dizer, em alguns capítulos adiante:
“Ainda que eu… conheça todos os mistérios e toda a ciência … se não tiver amor, nada serei”. (John Stott)

DAS MAIS BELAS CANÇÕES CRISTÃS

Outra Vez (Armando Filho)

Quantas vezes quiseste então mudar

Teu pensar, teu modo de agir

E ao sentir que nada adiantou, foi tudo em vão

Oh! Irmão eu sei que foi ruim

Mas uma coisa eu quero te dizer

Deus te ama assim como tu és

Mesmo quando muitos dizem

Que não há mais solução

Teu Senhor estende a sua mão

 

Uma vez, outra vez

Vai em frente, tente um pouco mais

Quem sabe hoje aqui, angústias vão ter fim

E gozarás perfeita paz

 

Uma vez, outra vez

Vai em frente, tente um pouco mais

Quem sabe hoje aqui, angústias vão ter fim

E gozarás perfeita paz

 

Quantas vezes quiseste então mudar

Teu pensar, teu modo de agir

E ao sentir que nada adiantou, foi tudo em vão

Oh! Irmão eu sei que foi ruim

Mas uma coisa eu quero te dizer

Deus te ama assim como tu és

Mesmo quando muitos dizem

Que não há mais solução

Teu Senhor estende a sua mão

 

Uma vez, outra vez

Vai em frente, tente um pouco mais

Quem sabe hoje aqui, angústias vão ter fim

E gozarás perfeita paz

 

Uma vez, outra vez

Vai em frente, tente um pouco mais

Quem sabe hoje aqui, angústias vão ter fim

E gozarás perfeita paz

 

Uma vez, outra vez

Vai em frente, tente um pouco mais

Um pouco mais

 

PENSAMENTO VI

“O orgulho é a fonte de todas as fraquezas, por que é a fonte de todos os vícios”. (Santo Agostinho)

 

 

 

CULTO DE GRATIDÃO

 

foto 10 (3) 

 

PALESTINOS ATACAM SANTUÁRIO EM JERUSALÉM COM BOMBA INCENDIÁRIA

 

foto 11 (3)

 

Com diversas atitudes criminosa sem sentido, dois jovens palestinos atacaram o santuário em Jerusalém e foram presos após lançarem uma bomba e incendiarem num posto policial de Israel que está situado próximo ao santuário de Jerusalém que é reverenciado por judeus e muçulmanos.

O Monte do Templo, para os judeus, também é chamado de Santuário Nobre pelos muçulmanos e faz parte da área disputada por israelenses e palestinos.

Apesar da ação da bomba e do confronto entre policiais e palestinos, não há relatos de que partes do complexo sagrado foram danificadas, tão pouco informações sobre feridos além dos dois suspeitos que foram presos, algumas agências de notícias afirmam que os autores do ataque foram mortos.  (Fonte: Israel)

 

CULTO DE GRATIDÃO A DEUS

 

foto 12 (3)

 

A capital do RN, Natal, vem promovendo belas festas cristãs. Parabéns.

 

 

REFLEXÃO

 

Salmo 13 da Bíblia Sagrada

1- Até quando te esquecerás de mim, Senhor? Para sempre? Até quando esconderás de mim o teu rosto?

2- Até quando consultarei com a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando se exaltará sobre mim o meu inimigo?

3- Atende-me, ouve-me, ó Senhor meu Deus; ilumina os meus olhos para que eu não adormeça na morte;

4- Para que o meu inimigo não diga: Prevaleci contra ele; e os meus adversários não se alegrem, vindo eu a vacilar.

5- Mas eu confio na tua benignidade; na tua salvação se alegrará o meu coração.

6- Cantarei ao Senhor, porquanto me tem feito muito bem.

 

EXEGESE – INTERPRETAÇÃO DO SALMO 13

 

Este salmo fala sobre o conflito interno que o salmista Davi sofria em relação a necessidade de uma resposta de Deus. O sua dor pessoal era tão grande que ele clamava dia e de noite pelo socorro de Deus.

Este é um pequeno salmo, todavia de grande valor e significado para todos aqueles que esperam em Deus.

VERSÍCULOS 1 E 2 – ATÉ QUANDO, SENHOR?

Os dois primeiros versículos deste salmo têm uma essência de socorro e um pedido de misericórdia. E neles, é apresentada a misericórdia de Deus em ouvir o desabafo de cada um que lhe procure.

O questionamento de Davi a Deus é puramente a ânsia de quem espera misericórdia de Deus e nela confia.

VERSÍCULOS 3 E 4 – ALUMIA OS MEUS OLHOS

O estresse é tanto que o salmista sente se aproximar a morte e pede a Deus que lhe der a luz aos olhos para que viva.

É justamente nestes dois versículos que o Servo Davi tem certeza que se Deus

não intervir ele morrerá e seus inimigos iram se vangloriar e zombar de sua fé em Deus.

 

VERSÍCULOS 5 E 6 – ACREDITO NA TUA BENIGNIDADE

Estes dois últimos versículos é um momento de confiança em Deus e que ele espera fielmente em Deus e por fim cantará e louvará pela libertação.

Há neste salmo oito vezes o verbo cantar, e cantar é alegra-se no Senhor mesmo diante de tanta dificuldade.